Fidel indica que ainda manda

Havana - Há um ano afastado do poder, o líder cubano Fidel Castro publicou ontem um artigo no jornal oficial Granma no qual garante estar sendo "consultado" por seu irmão mais novo, o presidente em exercício Raúl Castro, sobre todas as decisões relevantes do governo da ilha. "O próprio Raúl já se encarregou de dizer que, à medida que eu ia me recuperando, era consultado sobre cada decisão importante", afirmou Fidel. "Compartilho com o povo a satisfação de observar que Raúl, o partido, o governo, a Assembléia Nacional, a Juventude Comunista e as organizações de massa, lideradas por trabalhadores, marcham adiante, apegados ao princípio inviolável da unidade."O artigo foi publicado apenas cinco dias depois de Raúl - visto como mais moderado que Fidel, principalmente no que diz respeito a questões econômicas - ter feito um discurso surpreendente, no qual defendeu reformas estruturais na ilha, prometeu maior abertura ao capital externo e se disse disposto a dialogar com o sucessor do presidente George W. Bush na Casa Branca."Se a nova administração americana deixar de lado a prepotência e decidir conversar de modo civilizado, será bem-vinda", disse Raúl na ocasião. A proposta, porém, parece ter sido desautorizada por Fidel no artigo de ontem. "Que ninguém tenha a menor ilusão de que o império (os EUA) vá negociar com Cuba", escreveu o líder cubano. Em 31 de julho de 2006, Fidel, hoje com 80 anos, passou o poder para Raúl para ser submetido a uma cirurgia de emergência no intestino. Desde então, o líder cubano não aparece em público, mas há cerca de 4 meses ele vem escrevendo artigos no Granma, numa tentativa de participar da vida política.MAIS DE 30 EDITORIAIS Até agora, Fidel já assinou 33 editoriais sobre os temas mais diversos - desde o projeto dos EUA e do Brasil para desenvolver um mercado mundial do etanol até a divulgação de documentos sobre planos do serviço secreto americano para assassiná-lo na década de 60. Ele também tem aparecido em fotografias e vídeos na mídia estatal. O artigo publicado ontem, intitulado "A chama eterna", foi interpretado por muitos analistas como uma espécie de despedida definitiva da política tradicional. "Algumas afirmações dão a entender que Fidel se contenta em limitar esta etapa de sua luta ao campo das idéias, deixando que o restante do país lute na prática", opina Julia Sweig, diretora do programa de estudos latino-americanos no Council on Foreign Relations, em Washington. "Ele está dizendo que a vida continua sem Fidel e está cômodo no novo papel de ?sábio-chefe?."O líder cubano se disse "perturbado" com as perguntas sobre quando voltará ao poder. "O último ano valeu por dez e me permitiu acumular informações e conhecimentos sobre questões vitais para a humanidade", escreveu.OS PRINCIPAIS ARTIGOS DE FIDEL>>29/3 e 4/4: Nos dois primeiros artigos publicados, Fidel Castro diz que plano dos EUA e do Brasil de promover uso do etanol aumentará a fome mundial>>8/5: Líder cubano culpa EUA pela tentativa frustrada de dois cubanos de seqüestrar um avião para fugir para Miami>>10/5: Fidel volta a criticar o etanol, dizendo que produzir combustível a partir de alimentos é uma "idéia trágica">>26/6: Fidel acusa presidente dos EUA, George W. Bush, de ter ordenado sua morte "antes de arrebatar a vitória em 2000 fraudando outro candidato (Al Gore)">>30/6: Líder cubano comenta afirmação feita na véspera por Bush de que "um dia, o bom Senhor levará Fidel". "Agora compreendo porque sobrevivi aos planos de Bush e de outros presidentes que ordenaram meu assassinato: o bom Deus me protegeu" , escreveu>>2/7: Em editorial de três páginas, Fidel acusa governo dos EUA de ocultar métodos ilegais que a CIA usaria até hoje contra seus inimigos políticos>>11/7: Fidel diz que reformas adotadas nos anos 90 são responsáveis por "desigualdades irritantes" que causam "descontentamento" no país>>1/8: Fidel afirma que irmão o consulta sobre as decisões mais importantes do país

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.