Ismael Francisco/AP Photo
Ismael Francisco/AP Photo

Fidel reaparece na sessão de abertura do novo Parlamento em Cuba

Assembleia Nacional deverá nomear Raúl Castro para outro mandato de cinco anos como presidente do país

24 de fevereiro de 2013 | 13h22

HAVANA - O líder cubano Fidel Castro, que governou o país por 49 anos, reapareceu no domingo na sessão de abertura da Assembleia Nacional, depois de se ausentar repetidamente devido a uma doença grave que sofreu em 2006.

Segundo a agência de notícias estatal AIN, Fidel, de 86 anos, e o presidente cubano, seu irmão Raúl Castro, participaram de uma sessão solene da Assembleia Nacional (Parlamento), no Palácio das Convenções.

A imprensa estrangeira tem acesso apenas à sessão de encerramento, à tarde, quando fala o presidente cubano.

O Parlamento de Cuba reúne-se neste domingo com seus novos membros e deverá nomear Raúl Castro para outro mandato de cinco anos como presidente do país. Mas toda a atenção está concentrada sobre se políticos mais jovens poderão ser escolhidos para postos importantes do governo, em busca de um sinal de quem poderá emergir da próxima geração de liderança como um possível sucessor.

Castro alimentou a especulação na sexta-feira, ao falar de uma possível aposentadoria e sugeriu que tinha planos de renunciar em algum momento. Não ficou claro se o líder, de 81 anos, estava brincando.

Os 612 membros do Parlamento serão empossados hoje. Após a posse, eles escolherão um presidente da Assembleia Nacional pela primeira vez em 20 anos, em substituição a Ricardo Alarcon, que não estava concorrendo ao posto neste ano.

Ex-presidente

Fidel continua a ser um deputado após renunciar de todos os cargos, incluindo o de primeiro-secretário do Partido Comunista de Cuba (PCC). O ex-presidente cubano foi visto pela última vez na televisão estatal curvado e com uma longa barba branca falando com a imprensa.

(Com Reuters e Associated Press)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.