Fidel recebe delegação do Partido Comunista da China

O convalescente presidente cubano Fidel Castro conversou nesta sexta-feira, 20, com um alto funcionário do Partido Comunista da China, a primeira personalidade que recebeu desde o encontro de meados de março com o escritor colombiano Gabriel García Márquez.Castro se reuniu durante uma hora com o membro do Comitê Permanente do Escritório Político do Comitê Central do Partido Comunista da China, Wu Guanzheng. O visitante chinês chegou na quinta-feira a Havana, à frente de uma delegação de alto nível, informou uma nota oficial distribuída pela Agência de Informação Nacional ("AIN")."O encontro foi profundo e frutífero nos diversos temas abordados" disse a nota.Além disso, o chefe da delegação chinesa entregou a Castro uma carta do presidente Hu Jintao, que "expressa os excelentes vínculos entre o Partido e o Governo da República Popular da China e o Partido e o Governo de Cuba".O líder da revolução cubana, de 80 anos, se recupera de uma doença mantida como segredo de Estado. Ele precisou delegar seus cargos a seu irmão Raúl, primeiro vice-presidente e ministro da Defesa, há mais de oito de meses.As autoridades cubanas mantêm o máximo de discrição sobre a evolução da saúde do comandante. Mas nas últimas semanas funcionários do Governo têm insistido que Castro se recupera gradualmente e que poderá retornar às suas funções.Fidel Castro não aparece em público desde 26 de julho e suas últimas imagens foram transmitidas pela televisão local em 30 de janeiro.Em março, o jornal colombiano "El Tiempo" publicou a última fotografia de Castro. Ele apareceu de pé, vestido com roupa esportiva, conversando com o Nobel de Literatura Gabriel García Márquez.A nota oficial também informou que a delegação chinesa se reuniu imediatamente depois com Raúl Castro, presidente interino da ilha, para analisar temas nacionais e internacionais de interesse dos dois países e as relações bilaterais.Wu Guanzheng afirmou que o Partido Comunista da China e o Governo chinês dão "grande importância" aos vínculos com o Partido Comunista e o Governo cubanos. Ele destacou o desenvolvimento das relações econômicas e comerciais entre os dois países.A China é o segundo maior parceiro comercial de Cuba, com um intercâmbio comercial de US$ 1,8 bilhão por ano, atrás apenas da Venezuela.Cuba importa da China material para os setores de energia, transporte, saúde, educação e agricultura, e exporta níquel, açúcar, remédios e produtos de biotecnologia.A fonte informou que foi assinado um convênio de cooperação econômica e técnica entre os Governos de Cuba e da China, e outro para a promoção e proteção recíproca dos investimentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.