Fidel se recupera lentamente e ainda corre risco, diz Chávez

Fidel Castro passa por um lento processo de recuperação, não isento de riscos, disse nesta terça-feira o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, negando rumores de que o veterano revolucionário estaria em estado grave depois de sucessivas e fracassadas cirurgias intestinais. Em visita ao Equador, Chávez disse que o "imperialismo" está empenhado em matar seu aliado cubano, mas que Fidel "nunca morrerá". Em sua edição de terça-feira, o jornal espanhol El País cita duas fontes médicas de Madri segundo as quais Fidel, de 80 anos, tem um grave infecção no intestino grosso e foi submetido a várias operações. "Não está grave como dizem, nem tem câncer. É um lento, ele mesmo diz, um lento processo de recuperação, não isento de riscos, são 80 anos", disse Chávez a jornalistas. O presidente venezuelano disse ter conversado com aquele que considera seu mentor ideológico há "oito ou dez dias". "Falei com ele mais de meia hora por telefone, e falamos normalmente", afirmou. Fidel está afastado do poder desde 31 de julho por causa da doença, cuja origem nunca foi oficialmente revelada. O El País ouviu dois médicos do hospital de Madri cujo chefe de cirurgia, José Luis García Sabrido, visitou Fidel em dezembro em Havana. Depois da visita, o médico negou rumores de que Fidel tenha câncer. Na terça-feira, uma secretária de García Sabrido disse à Reuters em Madri que o cirurgião mantém seu prognóstico de recuperação para o líder cubano. Um diplomata cubano disse na segunda-feira à Reuters que Fidel tem problemas de cicatrização na ferida deixada pela primeira cirurgia intestinal que sofreu. O governo cubano não comenta o estado de saúde de Fidel, apenas afirma que o socialismo não depende da sobrevivência de seu líder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.