FBI / AFP
FBI / AFP

Fifa e agência contra armas químicas estão entre alvos de hackers russos indiciados pelos EUA

Indiciamentos estão ligados à expulsão pela Holanda de quatro agentes russos acusados de tentar hackear a sede da Organização de Proibição das Armas Químicas em Haia

O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2018 | 15h32

WASHINGTON - O Departamento de Justiça americano anunciou nesta quinta-feira, 4, o indiciamento de sete agentes do serviço de inteligência militar russo (GRU) por uma campanha de ciberataques contra instâncias esportivas, uma agência internacional e uma empresa americana especializada em energia nuclear.

Os indiciamentos estão ligados à expulsão pela Holanda de quatro agentes russos acusados de tentar hackear a sede da Organização de Proibição das Armas Químicas (OPAQ) em Haia, informou uma autoridade da Secretaria de Justiça.

John Demers, procurador-geral adjunto para a Segurança Nacional dos Estados Unidos, confirmou que entre os alvos conhecidos dos ataques estão a FIFA e a Agência Mundial Antidoping (WADA), bem como a empresa de energia nuclear Westinghouse.

"Países como a Rússia e outros que se envolvem em atividades cibernéticas maliciosas que rompem as regras devem compreender a determinação constante e firme dos Estados Unidos e seus aliados para impedir, interromper e deter tal comportamento irresponsável", afirmou Demers em uma entrevista coletiva.

"Os acusados neste caso devem saber que a justiça é muito paciente, seu alcance é longo e sua memória é ainda maior", disse ele. 

Além de hackear, as acusações incluem lavagem de dinheiro, uso de moedas virtuais como bitcoin, fraude eletrônica e roubo de identidade.

Demers afirmou que as operações "envolveram acesso sofisticado, persistente e não autorizado a redes de computadores com o objetivo de roubar informações privadas ou confidenciais".

Três dos sete russos indiciados neste caso fazem parte do grupo de 12 oficiais do GRU acusados ​​em julho pelo procurador especial Robert Mueller de interferência nas eleições presidenciais de 2016 nos Estados Unidos.

As duas investigações são diferentes, mas se sobrepõem, disse Demers.

O Canadá confirmou nesta quinta-feira que acredita ter sido alvo de ataques cibernéticos russos, citando violações em seu centro de ética e esportes e na sede da WADA em Montreal.

"O governo do Canadá afirma com grande confiança que a inteligência do Exército russo, o GRU, foi responsável" por esses ataques cibernéticos, declarou o ministro das Relações Exteriores em um comunicado. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.