Filas marcam 1º dia de eleição no Egito

Eleitores comparecem em massa às urnas pela primeira vez após 30 anos de ditadura; partidos islâmicos e seculares polarizam votação

LOURIVAL SANTANNA, ENVIADO ESPECIAL / CAIRO, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2011 | 03h04

Na primeira eleição depois de 30 anos da ditadura de Hosni Mubarak, os egípcios formaram ontem longas filas na porta dos locais de votação, em muitos casos com espera de horas. Embora o voto não seja obrigatório e fosse um dia normal de trabalho no país, os eleitores compareceram maciçamente na votação para o Parlamento, que prossegue hoje no Cairo e em outros oito Estados do país.

O dia transcorreu sem grandes incidentes, apesar da ocupação da Praça Tahrir por manifestantes que exigem a renúncia da junta militar que governa o Egito, de mudanças na distribuição das zonas eleitorais e da desconfiança por parte de muitos eleitores em relação à Justiça eleitoral, herdada do regime de Mubarak.

A eleição está polarizada entre islâmicos e seculares. De um lado, a Irmandade Muçulmana, o grupo mais bem organizado e com maior credibilidade que restou do antigo conjunto de partidos, aliado do Al-Nur , novo partido salafista (islâmico radical).

No outro extremo, estão os seculares do Bloco Egípcio, que reúne três partidos liberais, e da Aliança Completando a Revolução, composta por grupos de jovens e socialistas.

"Votarei no Partido Liberdade e Justiça (da Irmandade Muçulmana), porque ele tem perfil religioso e não é extremista", disse uma mulher, de 24 anos, que usava o niqab, vestimenta preta que deixa só os olhos de fora, e pediu para não ser identificada.

"Em 2005 e 2010 eles tiveram algum sucesso sob um regime muito duro", continuou ela, que esperava na fila de mais de 1.500 pessoas numa escola do bairro de classe média alta de Zamalek. "Acredito que dessa vez poderão fazer mais. Eles construirão um país sobre um alicerce religioso. Não forçarão ninguém a fazer nada mas protegerão a religião do país."

Estabilidade. Sherif Hisham, de 23 anos, empregado em uma multinacional, não acredita nessa promessa. "Não quero que este país se torne uma Arábia Saudita, dominada por homens de túnicas e barba", disse Hisham, que aguardou durante horas na mesma fila. "Temos 10% de cristãos. Não sou cristão, mas somos um povo só. A religião deveria ser algo entre você e Deus, não uma imposição, não deveria se misturar com política."

Hisham votou no secular Partido dos Egípcios Livres. "Espero que diminuam a pobreza, melhorem a infraestrutura e os serviços sociais, os direitos das mulheres, das crianças e a educação. O sistema de Mubarak era completamente corrupto."

Longe dali, no bairro pobre de Sharabeia, periferia norte do Cairo, o desempregado Kamal Sayed, de 27 anos, votou no Partido Liberdade e Justiça, mas não por razões religiosas. "Eles prometeram liberdade, justiça social e empregos para os jovens."

Em Zamalek, o empresário Sherif Yehia, de 37 anos, fez uma combinação entre islâmicos e liberais. Como há um voto por lista partidária e outro em candidatos individuais, no primeiro ele escolheu o Liberdade e Justiça e, no outro, um integrante do Bloco Egípcio.

"A Irmandade Muçulmana é o grupo mais bem organizado e precisamos de estabilidade", explicou Yehia, diretor do setor de calçados na Câmara de Comércio do Cairo. "A Irmandade Muçulmana tem atuado sob pressão desde sempre. Acho que agora que a pressão foi retirada eles poderão fazer muito mais e mudar de comportamento. Equilibrei meu voto com o Bloco Egípcio."

De volta a Sharabeia, o cabeleireiro Osama Nabil, de 29 anos, contou ter anulado seu voto. "Não confio no sistema eleitoral", disse ele. "A Justiça é a mesma da época de Mubarak. Tudo está muito obscuro. Tudo caminhou na direção errada." Com o braço direito enfaixado, Nabil contou que levou um tiro da polícia com uma bala de 9 mm na semana passada, na Rua Mohamed Mahmud, que liga a Praça Tahrir ao Ministério do Interior, epicentro dos confrontos.

Transição. Depois desses dois dias, as eleições para a Assembleia Popular, como é chamada a Câmara dos Deputados do Egito, continuarão em outros dois conjuntos de Estados, terminando no dia 3 de janeiro. A partir daí, começará a eleição para o Conselho da Shura, equivalente ao Senado, que terminará em março.

A Câmara dos Deputados nomeará os cem integrantes de uma assembleia que elaborará uma nova Constituição. Cedendo às pressões dos manifestantes, a junta militar prometeu acelerar a transição e antecipou a eleição presidencial para o fim de junho. Antes, elas ocorreriam apenas no fim de 2012 ou em 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.