Filha de dissidente culpa regime por morte do pai

A filha do dissidente cubano Oswaldo Payá voltou ontem a afirmar que seu pai foi assassinado, e não morto em uma tragédia de carro. Mas, desta vez, Rosa María Payá disse ter escutado do homem que conduzia o veículo, o jovem político espanhol Angel Carromero, garantias de que o choque do veículo "não foi acidental". Condenado a 4 anos de prisão em Cuba por homicídio, Carromero - líder da juventude do Partido Progressista (PP), de centro-direita - cumpre pena em regime semiaberto na Espanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.