Lourival Sant'Anna/AE
Lourival Sant'Anna/AE

Filha que Kadafi disse ter morrido estaria viva

Hana teria sido vítima do bombardeio americano ao quartel-general de Bab al-Azizia, em 1986

Andrei Netto e Lourival Sant?Anna, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2011 | 00h00

ENVIADOS ESPECIAIS / TRÍPOLI

Ao longo de 25 anos, Muamar Kadafi e seus defensores sustentaram a versão de que sua filha adotiva, Hana, com pouco mais de 1 ano na época, teria sido morta pelo bombardeio americano de 1986 contra seu quartel-general de Bab al-Azizia, em Trípoli. Mas, aparentemente, não é verdade.

O Estado encontrou fotos e documentos e ouviu depoimentos que demonstram que Hana é hoje médica e trabalhou até o meio-dia de domingo no Hospital Central de Trípoli, de onde fugiu com o auxílio de seguranças. E a Grã-Bretanha sabia disso pelo menos desde 2007.

Num escritório ao lado da casa de Kadafi, o Estado encontrou um certificado de proficiência em inglês emitido em 2007 pelo Conselho Britânico na Líbia, em nome de "Hana Moammer Gadafi". Havia também um exame de medicina com a assinatura dela em árabe. Numa foto aparentemente recente, Hana aparece com Aisha, única filha biológica de Kadafi. Três fotos 3 x 4 a mostram vestindo avental de médica. Nas prateleiras do escritório, há vários livros de medicina em inglês e cadernos com anotações sobre doenças e procedimentos médicos.

Sapatos e cremes de mulher, fotos, papéis, CDs, uma caixa de DVD do seriado americano Sex and the City e outros objetos pessoais estão espalhados pela sala, mobiliada com dois sofás de tecido creme, escrivaninha e estantes.

No maior hospital da capital, o Estado esteve no escritório em que Hana, formada há um ano na Universidade de Trípoli como cirurgiã-geral, distribuía ordens e usufruía dos privilégios que o regime lhe proporcionava. Contrastando com a simplicidade do hospital, que enfrenta falta de equipamentos, a filha de Kadafi dispunha de uma sala climatizada, móveis de primeira, TV com sinal de satélite, três telefones e até uma máquina Nespresso.

"Kadafi dizia para o mundo que sua filha tinha morrido em 1986, mas ela estava viva o tempo todo", afirmou Lukman Kalfallah, cirurgião-geral de 29 anos, colega de Hana na universidade por sete anos. "Ela se formou no ano passado e, desde então, passou a ter esse escritório, de onde, na prática, mandava no hospital, transferindo pessoas de quem não gostava e mandando em todos os setores."

Segundo Saif Mussaf, anestesista de 29 anos, Hana mantinha uma vida secreta no hospital. Não assinava documentos e não tinha carimbos nem identificações visíveis. Além disso, dirigia a palavra apenas a poucos "escolhidos". "Nunca nos falamos neste ano em que ela trabalhou aqui. E ninguém nunca tocava no assunto de sua morte, embora todos soubessem da história. Tínhamos medo de morrer", explica.

Apesar de ter poucos amigos e de trabalhar acompanhada de seguranças, Hana tratava os médicos e os pacientes com cuidado e respeito. Como profissional, era limitada. "Não era muito boa, mas também não chegou a ter experiência, porque só trabalhou por um ano", diz Rajab al-Ladsta, cirurgião sênior do hospital.

Seu paradeiro é desconhecido desde o meio-dia de domingo, quando abandonou o hospital de uniforme e acompanhada de dois seguranças. "Ela é uma boa pessoa. Mas, nos últimos seis meses, estava muito agressiva por causa da situação. Tínhamos medo dela. E acho que ela, de nós", diz Kalfallah.

A "morte" da pequena Hana foi anunciada ao mundo por Kadafi depois que o então presidente Ronald Reagan ordenou o bombardeio aéreo de Bab al-Azizia, em 1986, como represália por um atentado a bomba contra uma discoteca em Berlim, que deixou 3 mortos e 230 feridos, incluindo 79 militares americanos.

Kadafi passou a exibir a casa destruída para convidados ao seu complexo como símbolo da "agressão" americana e de sua condição de sobrevivente.

Por outro lado, a suposta morte da Hana foi usada por Kadafi como prova de que os EUA e aliados atacam civis inocentes. Com os bombardeios da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), iniciados em março com o objetivo declarado de proteger os civis líbios das forças de Kadafi, a história da morte de Hana voltou à tona, como demonstração de que são os ocidentais que matam civis.

Em Benghazi, a capital rebelde, o Estado já havia ouvido, no início da rebelião, há seis meses, a versão de que Hana não havia morrido e trabalhava como médica em Trípoli. Parecia uma extravagante teoria da conspiração. Agora, parece que não.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.