Filho de aiatolá assume controle de milícia no Irã

Conservadores estão perplexos com os Khameneis, diz político iraniano

Julian Borger, THE GUARDIAN, TEERÃ, O Estadao de S.Paulo

10 de julho de 2009 | 00h00

O filho do aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, assumiu o controle da milícia usada para esmagar os protestos de opositores contra o resultado das eleições de junho. De acordo com um político ligado ao aparato de segurança iraniano, o papel de protagonista desempenhado por Mojtaba Khamenei deixou perplexos clérigos, políticos conservadores e generais da Guarda Revolucionária. No entanto, os conservadores relutam em desafiar os Khameneis abertamente por medo da instabilidade que qualquer tipo de conflito traria para o país e de enfraquecer a posição do Irã na região. Em vez disso, eles usam os cargos que ocupam para dificultar o governo do aiatolá e do presidente Mahmoud Ahmadinejad. "Esse jogo ainda não acabou. A partida está apenas começando", disse o político, que pediu anonimato. De acordo com ele, Mojtaba desempenhou um papel importante na contestada vitória de Ahmadinejad e liderou a reação das milícias conhecidas como basiji. O número oficial de mortos nos protestos é de 20, mas um médico de Teerã, que concordou em conversar com a reportagem do Guardian, afirmou que essa cifra é bem maior - 38 teriam morrido só na primeira semana no hospital onde ele trabalha. O médico disse que os basijis mascararam as mortes e pressionaram os médicos a não falar. "Mojtaba é o comandante desse golpe de Estado. Os basijis estão agindo sob ordens de Mojtaba, mas o nome dele é sempre mantido em segredo. O governo jamais o menciona", disse o político. "Todos estão com raiva. Os marajis (principais aiatolás do Irã) e os clérigos estão com raiva, os conservadores estão bravos e criticam Mojtaba com veemência." Mojtaba, segundo filho do aiatolá, está sendo preparado para suceder ao pai. Tal sucessão dinástica seria muito difícil de se assegurar, pois o líder deve ser escolhido por uma assembleia clerical de especialistas com base na posição religiosa do candidato. Mojtaba não teria o status religioso necessário para a posição suprema. É amplamente difundida a crença de que Mojtaba controla imensos recursos financeiros. Dissidentes afirmam que a campanha antibritânica em Teerã é motivada pela decisão de Londres de congelar quase 1 bilhão de libras em bens iranianos. Os fundos incluem dinheiro de Mojtaba. Segundo rumores, o aiatolá vem perdendo gradualmente o apoio dos religiosos, que até bem pouco tempo era uma base sólida de seu poder. De agora em diante, os conservadores laicos tentariam obstruir as tentativas de Ahmadinejad de exercer seu poder, o que pode complicar ainda mais a vida dos Khameneis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.