Filho de falecido dirigente histórico é autorizado a sair de Cuba

Juan Juan Almeida Garcia conseguiu a permissão do governo de Raúl Castro para sair da ilha e ficar com os familiares nos EUA

Efe

25 de agosto de 2010 | 01h12

HAVANA - Juan Juan Almeida García, filho do falecido vice-presidente cubano Juan Almeida Bosque, foi autorizado pelo governo de Havana a viajar para fora do país, confirmara na terça-feira, 24, os porta-vozes da Igreja Católica e de sua família na ilha.

Almeida García recebeu na segunda-feira passada a comunicação das autoridades de que podia começar os tramites para viajar no exterior, por via do cardeal cubano Jaime Ortega, segundo confirmou o porta-voz do Arcebispado de Havana, Orlando Márquez.

Indira, filha de Almeida e residente nos Estados Unidos, havia pedido em uma carta dirigida ao cardeal e Arcebispo de Havana, que intercederia ao governo da ilha para que seu pai possa sair, indicou o porta-voz católico.

Segundo a declaração de Juan Juan Almeida, de 44 anos, advogado, desde 2003 vem solicitando a permissão das autoridades cubanas para sair do país, receber tratamento para uma doença degenerativa e visitar seus familiares que moram nos EUA, porém não havia recebido a autorização.

Em 2009, tentou sair ilegalmente da ilha, mas fracassou, foi preso várias vezes por realizar atos de protesto público e há algumas semanas declarou que foi o primeiro a ficar em jejum e, em seguida, uma greve de fome, exigindo que o governo os autorize a viajar.

Sua irmã Brenda Almeida disse na terça-feira que o porta-voz do Arcebispado de Havana "o chamou a noite para decidir que podia passar pela embaixada do México para que consiga um visto para viajar aos EUA".

Explicou que seu irmão "já começou a se preparar na imigração e até agora está indo bem, não tem tido obstáculos, porém as autoridades disseram que não autorizavam a sair a qualquer lugar exceto aos Estados Unidos. Estou segura de que a Igreja Católica intercedeu em seu caso".

"Amanhã (nesta quarta-feira) vai acontecer o trâmite de permissão de saída e penso que quando ele ter, imediatamente vai pegar as passagens aéreas", acrescentou.

A Igreja Católica da ilha anunciou na terça-feira que um novo grupo de seis presos políticos cubanos vão sair das prisões e viajarão para a Espanha, em um comunicado do Arcebispado de Havana, mediador neste processo que já liberou outros 26 reclusos.

Estas liberações são fruto do diálogo aberto em maio passado entre a alta hierarquia da Igreja Católica da ilha e o governo de Raúl Castro, com o apoio da Espanha, e prever que em quatro meses os 52 presos, do Grupo dos 75 opositores detidos, na chamada "primavera negra" de 2003, estejam libertados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.