EFE/EDUARDO CAVERO
EFE/EDUARDO CAVERO

Filho de Fujimori rompe com oposição e anuncia apoio ao presidente do Peru

Depois de ser expulso do partido liderado por sua irmã Keiko, Kenji Fujimori diz que ele e mais nove deputados formarão novo grupo político para apoiar governo de Pedro Pablo Kuczynski; medida anula maioria que a legenda opositora tinha no Congresso

O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2018 | 12h23

LIMA - O filho mais novo do ex-presidente peruano Alberto Fujimori afirmou que criará um novo grupo político para apoiar o Executivo do país no momento em que o atual presidente, Pedro Pablo Kuczynski, e seu governo de centro-direita se tornam cada vez mais isolados.

Filho mais novo de Fujimori é expulso de partido por discordar da irmã Keiko

Kenji, filho mais novo de Alberto Fujimori cuja popularidade vem aumentando, disse que ele e nove outros parlamentares romperam formalmente com o partido de oposição de direita liderado por sua irmã, Keiko Fujimori, anulando a maioria absoluta que a sigla usou no Congresso para afastar ministros do governo Kuczynski.

A divisão ocorreu depois que a facção rompeu as fileiras do partido no mês passado para evitar que Kuczynski fosse removido do cargo devido a um escândalo de corrupção. Kuczynski concedeu um perdão a Alberto Fujimori três dias depois alegando razões de saúde, ajudando Kenji a concretizar o objetivo antigo de libertar seu pai.

Na quarta-feira, em sua primeira coletiva de imprensa desde o perdão do pai, Kenji, de 37 anos, revelou um compromisso político assinado pelos 10 parlamentares dissidentes, dando o primeiro sinal de apoio político concreto além do partido de Kuczynski, cujo governo foi enfraquecido por renúncias e protestos de rua contra seu indulto ao ex-presidente.

Fujimori é levado a hospital de Lima após sofrer arritmia cardíaca

“Este é um acordo governável”, disse Kenji segurando um documento enquanto listava prioridades, entre elas ajudar Kuczynski a tratar das necessidades dos peruanos e cortejar o investimento privado.

Alberto Fujimori, que cumpria uma pena de 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra os direitos humanos cometidos durante sua década autoritária no poder, divide profundamente as opiniões no Peru. Apesar de sua queda, ele é admirado por muitos que lhe creditam ter derrotado a insurgência de esquerda Sendero Luminoso e ter salvado o país da ruína econômica

No ano passado Fujimori se alinhou publicamente a Kenji, não Keiko, e em julho emitiu uma repreensão rara ao partido de oposição comandado por sua filha.

A ex-parlamentar Keiko passou uma década transformando o legado do pai no partido político mais organizado do Peru, a Força Popular, mas sua liderança sobre o movimento populista que ele iniciou nos anos 1990 vem sendo questionada.

+ Lourival Sant'Anna: A corrupção e a democracia no Peru

Ela não se empenhou em buscar a libertação do pai, citando uma promessa de campanha de 2016 de só recorrer aos tribunais, e não a poderes políticos, para pleitear sua libertação. Agora ela está atrás dele em pesquisas a respeito de quem é o líder atual dos chamados fujimoristas.

"Acabamos de testemunhar o nascimento do grupo parlamentar de Alberto Fujimori", disse o deputado governista Juan Sheput à emissora local Canal N pouco depois do anuncio feito por Kenji. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.