Filho de Gaddafi pode estar tentando fugir da Líbia--tribunal

O Tribunal Penal Internacional (TPI) continua recebendo informações de que o filho de Muammar Gaddafi, Saif al-Islam, possa tentar fugir da Líbia com a ajuda de mercenários, disse o promotor-chefe da corte nesta quarta-feira.

LOUIS CHARBONNEAU, REUTERS

02 de novembro de 2011 | 19h49

Luis Moreno-Ocampo também disse estar investigando se o ex-líder líbio, que morreu logo após ser capturado pelas forças do governo no mês passado, e seu ex-chefe de espionagem ordenaram estupros em massa.

"Há alegações de crimes cometidos pelas forças da Otan, alegações de crimes cometidos pelas forças relacionadas ao Conselho Nacional de Transição... bem como alegações de crimes adicionais cometidos por forças pró-Gaddafi", disse Ocampo em discurso ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

"Essas alegações serão examinadas de maneira imparcial e independente", disse.

A Otan negou as alegações de ter deliberadamente civis como alvos durante a sua campanha de sete meses de ataques aéreos contra as forças de Gaddafi que terminou na segunda-feira.

O Conselho Nacional de Transição da Líbia prometeu investigar as alegações de execução e abuso contra suspeitos de apoiar Gaddafi.

Grupos de direitos humanos disseram que as forças do CNT escolheram trabalhadores migrantes da África subsaariana para prisão arbitrária e detenção devido às suposições de que eram apoiadores de Gaddafi. Ocampo disse estar a par dessas alegações.

O CNT, que está no comando interino da Líbia, disse que gostaria de investigar Saif al-Islam e o ex-chefe de inteligência Abdullah al-Senussi na Líbia. Ambos foram indiciados pelo tribunal por crimes contra a humanidade e outros crimes de guerra.

"Também estamos recebendo informações de que um grupo de mercenários pode estar se empenhando para facilitar sua (de Saif al-Islam) fuga da Líbia", disse Ocampo. "Estamos apelando aos Estados para que façam tudo o que puderem para interromper quaisquer operações desse tipo."

Tudo o que sabemos sobre:
ONULIBIASAIF*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.