REUTERS/Darrin Zammit Lupi
REUTERS/Darrin Zammit Lupi

Filho de jornalista morta em Malta acusa governo de 'cumplicidade'

Matthew Caruana Galizia disse que o premiê Joseph Muscat e outras autoridades são responsáveis pela morte de sua mãe; os dois eram membros do membro do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), que revelou os Panama Papers em 2016

O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2017 | 12h53

VALLETTA - O filho da jornalista investigativa maltesa Daphne Caruana Galizia, morta na explosão de seu carro, denunciou nesta terça-feira, 17, a "cultura de impunidade" que existe no país e culpou o governo de Joseph Muscat e outras autoridades pelo crime. 

+ Mossack e Fonseca são presos no Panamá por suposto envolvimento em esquema de corrupção

"São cúmplices, são responsáveis por tudo isto", acusou Matthew Caruana Galizia em publicação no Facebook. "Minha mãe foi assassinada porque se interpunha entre o Estado de Direito e os que querem violá-lo, como muitos outros fortes jornalistas", disse ele. Matthew também é membro do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), que revelou o caso dos Panama Papers em 2016.

Matthew lembrou o momento em que encontrou o carro envolto em chamas no qual morreu sua mãe, de 53 anos, que investigava a relação entre a classe política maltesa com casos de corrupção.

"Esta não foi uma morte comum ou trágica. Trágico é que alguém seja atropelado por um ônibus. Quando há sangue e fogo ao redor de você, é guerra. Somos um povo em guerra contra o Estado e o crime organizado, que se têm tornado indistinguíveis", denunciou.

Ele disse ainda que Malta é "um Estado da máfia, onde você pode mudar seu gênero na carteira de identidade (graças a Deus!), mas onde pode ser despedaçado por exercer suas liberdades essenciais".

Em sua opinião, "o governo de Malta permitiu que floresça uma cultura da impunidade". Ele também acusou o premiê Muscat de "alentar essa mesma impunidade", ao "encher seu escritório de delinquentes e imbecis e os tribunais de delinquentes e incompetentes".

"Se as instituições estivessem preparadas para agir, não haveria assassinatos a investigar, e os meus irmãos e eu ainda teríamos uma mãe", completou.

O filho da jornalista concluiu sua denúncia dirigindo-se diretamente a Muscat, ao seu chefe de gabinete, Keith Schembri, ao ministro de Economia, Chris Cardona, ao de Turismo, Konrad Mizzi, ao procurador-geral e à "longa lista de chefes de polícia que não tomaram nenhuma medida".

Reações

Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, manifestou sua indignação em sua conta no Twitter e ofereceu uma recompensa de € 20 mil por informações que ajudem a condenar os responsáveis pela morte da jornalista. 

A Comissão Europeia afirmou nesta terça-feira que está "horrorizada" com o assassinato de Daphne. "Estamos horrorizados com o fato de que uma jornalista conhecida e respeitada, a senhora Daphne Caruana Galizia, perdeu a vida no que parece ter sido um ataque especificamente dirigido contra ela", disse o porta-voz do Executivo europeu, Margaritis Schinas. "É um ato escandaloso. Agora esperamos que se faça justiça", disse.

Daphne "era uma pioneira do jornalismo investigativo em Malta", disse o porta-voz, antes de afirmar que o presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, e seus comissários "condenam com a máxima firmeza este ataque". / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.