Filho de Kadafi está no Níger, instalado em residência de governador

Saadi viajou para a capital Niamey no final da terça com outros oito aliados do líder líbio

AE, Agência Estado

14 Setembro 2011 | 09h58

TRÍPOLI - O filho de Muamar Kadafi, Saadi, estava sob proteção no Níger nesta quarta-feira, 14, após fugir da Líbia no final de semana. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) afirmou que não tem ideia de onde o fugitivo pai dele está.

 

Veja também:
forum OPINE: 
Onde se esconde Kadafi?
especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia
lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

A aliança ressaltou que o líder deposto não é um alvo na campanha diária de ataques aéreos na Líbia.

Saadi Kadafi, de 38 anos, o terceiro dos sete filhos de Kadafi, está entre as 32 autoridades do antigo regime, três delas generais, que fugiram através do deserto do vizinho Níger este mês. Ele viajou para a capital Niamey no final da terça-feira. Foi instalado na residência de um governador, com oito aliados de seu pai.

Washington aceitou as garantias do governo do Níger de que Saadi Kadafi, que comandou uma unidade de elite do Exército após uma breve carreira como jogador de futebol na Itália, estava sob custódia das forças de segurança locais. Uma porta-voz do Departamento de Estado disse que, para os EUA, ele está em prisão domiciliar.

A Otan afirmou que não tinha ideia se o próprio Kadafi havia fugido para o Níger. Um coronel da missão da Otan, Roland Lavoie, disse que não se sabe o paradeiro de Kadafi. "Para ser franco, não sabemos se ele deixou o país", disse Lavoie a repórteres na terça-feira.

A aliança informou nesta quarta-feira que atacou nove alvos no entorno de Sirta, sete na área de Waddan e um em Zillah, em suas mais recentes ações. Vários civis fogem de Sirta, segundo um correspondente da France Presse, temendo mais confrontos entre as forças rebeldes e partidários de Kadafi.

 

As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Líbia Kadafi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.