Reuters
Reuters

‘Filho de Krakatoa’, vulcão estava ativo desde junho

Anak Krakatoa iniciou sua vida debaixo d’água, até sua cratera emergir, em 1928; tornou-se uma pequena ilha vulcânica, cuja cratera alcança agora uma altitude de 300 metros acima do nível do mar

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2018 | 19h48

JACARTA - O vulcão que foi responsável pelo tsunami na Indonésia na noite de sábado, 22, emergiu das águas há 90 anos, formado pelo lendário Krakatoa, e há 10 anos está sob estreita vigilância.

O Anak Krakatoa, que significa “Filho de Krakatoa” em indonésio, está particularmente ativo desde junho, e lança cinzas para o alto com frequência. Em outubro, um barco turístico quase foi atingido pela lava.

Segundo especialistas, o Anak Krakatoa foi formado por volta de 1928 na caldeira do Krakatoa, que, em 1883, causou um episódio catastrófico com mais de 36 mil mortos. 

O Anak Krakatoa iniciou sua vida debaixo d’água, até sua cratera emergir, em 1928. Tornou-se uma pequena ilha vulcânica, cuja cratera alcança agora uma altitude de 300 metros acima do nível do mar.

Desde o seu nascimento, o Anak Krakatoa está em “estado de atividade eruptiva quase sempre” e cresce com as erupções que ocorrem a cada dois ou três anos, explicou o vulcanólogo Ray Cas, da Universidade de Monash, na Austrália. 

Embora ninguém viva naquela ilha, o vulcão é um destino popular entre os turistas e importante objeto de estudo para os vulcanólogos. Ele faz parte do Parque Nacional de Ujung Kulo, inscrito no patrimônio da Unesco por sua “beleza natural e flora e fauna muito diversificadas, que refletem uma evolução permanente de processos geológicos”.

Tragédia

Quando o Krakatoa entrou em erupção no dia 27 de agosto de 1883, lançou cinzas a mais de 20 km de altura em uma série de explosões que chegaram a ser ouvidas na Austrália e até nas Ilhas Maurício. A região ficou às escuras por dois dias. 

O tsunami causado por aquela erupção matou mais de 36 mil pessoas e é considerado um dos piores desastres naturais do mundo. No ano seguinte, em razão da poeira, os amanheceres e entardeceres da região foram espetaculares e o clima foi alterado por anos. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.