Yao Dawei/Xinhua/Reuters
Yao Dawei/Xinhua/Reuters

Filho de líder norte-coreano faz aparição pública

Kim Jong-un, apontado como provável sucessor do pai, o acompanhou em parada militar

BBC Brasil, BBC

10 de outubro de 2010 | 07h12

A TV estatal norte-coreana mostrou neste domingo imagens ao vivo do líder Kim Jong-il acompanhado do filho, Kim Jong-un, apontado como seu provável sucessor, acompanhando uma parada militar na capital do país, Pyongyang.

Veja também:

Morre Hwang Jang-yop, famoso desertor da Coreia do Norte

Kim Jong-un, a quem acredita-se tenha 26 ou 27 anos, foi promovido no mês passado a general de quatro estrelas e nomeado para cargos de liderança no Partido Comunista durante a primeira convenção do partido em 30 anos.

A parada deste domingo marcava os 65 anos do partido. Segundo autoridades locais, as celebrações deste ano são as maiores da história do país.

Essa foi a mais visível aparição pública do filho mais novo do líder norte-coreano, cuja imagem era até há pouco tempo desconhecida.

Analistas acreditam que suas aparições recentes indicam que ele está sendo preparado para suceder o pai.

Derrame

Acredita-se que Kim Jong-il, de 69 anos, enfrente problemas sérios de saúde e tenha sofrido um derrame há dois anos.

Ele assumiu o poder em 1994, após a morte do pai, Kim Il-sung, fundador da Coreia do Norte e líder do país desde 1948.

As comemorações em Pyongyang contaram com a rara presença da imprensa estrangeira, convidada pelas autoridades norte-coreanas para acompanhar os festejos.

Michael Bristow, enviado especial da BBC a Pyongyang, diz que a aparição de Kim Jong-un em frente aos jornalistas estrangeiros é mais uma demonstração de que ele está sendo preparado para assumir o comando do país em breve. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
coreia do norteKim Jong-ilKim Jong-un

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.