Filho de ministro assassinado em Israel pede vingança

Israel despediu-se hoje, com discursos e lágrimas, do ministro do Turismo, Rehavam Zeevi, que foi assassinado. Durante os funerais, o filho de Zeevi, Yiftah, pediu "vingança" ao primeiro-ministro Ariel Sharon, enquanto muitos criticavam a falta de proteção do alto funcionário. Diante do caixão de Zeevi, envolto na bandeira nacional e ladeado por duas grandes coroas de flores, desfilaram milhares de israelenses que quiseram render uma homenagem ao ministro, na esplanada ao lado do parlamento. A cerimônia oficial começou com discursos de personalidades políticas, que recordaram o profundo amor de Zeevi pela terrra israelense: "Tu, Zeevi, conhecias cada colina", disse Sharon. O enterro se realizou no cemitério militar sobre o monte Herzl, em uma sepultura próxima à de um integrante do Exército recentemente assassinado. "Vingue meu pai", pediu em tom imperativo Yiftah, um dos cinco filhos de Zeevi, ao primeiro-ministro, após rezar o Kaddish, a oração judaica para os mortos. Ao mesmo tempo, crescia a onda de críticas e queixas pela falta de proteção a uma das mais polêmicas personalidades da direita política do país - e que, certamente, a que mais desagradava os árabes. Segundo os críticos, teria sido preciso adotar mais medidas de segurança, pois há muito tempo Zeevi estava na mira das organizações e grupos radicais palestinos.

Agencia Estado,

18 Outubro 2001 | 18h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.