Filho de Sharon é condenado a 9 meses de prisão

O ex-deputado Omri Sharon, filho do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, foi condenado nesta terça-feira pelo tribunal do distrito de Tel Aviv a nove meses de prisão e a outros nove meses de serviços comunitários por ter violado a lei de financiamento eleitoral.Segundo a sentença do tribunal, Omri Sharon terá de pagar ao Estado uma multa de 300 mil shekels (53.651 euros).Entre as acusações enfrentadas pelo ex-deputado israelense está a de violar a Lei Eleitoral para favorecer seu pai, com a arrecadação de doações sete vezes superiores ao permitido, quando o atual premier competia pela liderança do Likud em 1999.Sharon também foi condenado por ter prestado falso testemunho sobre como obteve o dinheiro, o que, segundo declarou, ocorreu por meio de um milionário empresário residente na África do Sul e velho amigo do atual primeiro-ministro.O filho de Ariel Sharon admitiu a maioria das acusações e seus advogados avisaram nesta terça-feira que vão recorrer da pena.Fontes da rádio pública israelense disseram que o acusado não terá de cumprir a pena de forma imediata e tem seis meses de liberdade devido à delicada situação de seu pai, hospitalizado desde 4 de janeiro em estado de coma profundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.