Filho de terrorista preso é capturado no Afeganistão

Um filho de Omar Abdel-Rahman, um clérigo egípcio preso nos Estados Unidos sob acusação de ter participado do atentado de 1993 contra o World Trade Center, foi capturado por forças anti-Taleban no Afeganistão, informaram hoje um irmão e autoridades dos Estados Unidos.O advogado Montasser el-Zayat, que defende supostos militantes islâmicos, disse no Cairo que o filho do clérigo Abdel-Rahman, Ahmed, estava detido na cidade nortista de Mazar-i-Sharif e que ele havia sido interrogado por norte-americanos. El-Zayat afirmou que forças no Afeganistão estavam buscando um irmão de Ahmed, Mohammed Abdel-Rahman, que também se encontra no país.Uma autoridade dos EUA disse em Washington que a Aliança do Norte havia capturado Ahmed, mas não havia indicações de que ele teria sido entregue aos norte-americanos. A autoridade disse que Ahmed é um importante líder da Al-Qaeda. El-Zayat negou que Ahmed pertença à rede terrorista liderada por Osama bin Laden.Um terceiro irmão, Abdullah, que vive no Cairo, afirmou à Associated Press que Mohammed havia ligado do Afeganistão no mês passado para dizer que a Aliança do Norte havia capturado Ahmed. Ele afirmou que não mais teve notícias dos dois irmãos. "É muito difícil conseguir informações de lá. Não existem meios de comunicação", disse.O advogado el-Zayat disse que obteve informação sobre a captura e o interrogatório de Ahmed de um ativista islâmico em Londres. Também foi-lhe dito que Ahmed havia sido torturado durante os interrogatórios.Ahmed, 28 anos, Mohammed, 29, e Abdullah são filhos de Omar Abdel-Rahman, o clérigo cego de 63 anos considerado o líder dos militantes islâmicos egípcios. Ele foi condenado à prisão perpétua por conspirar para assassinar o presidente egípcio Hosni Mubarak e explodir cinco marcos da cidade de Nova York, incluindo o prédio da ONU. Os responsáveis pelo atentado de 1993 contra o World Trade Center teriam comparecido a palestras dele.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.