Filho de xeque condenado nos EUA pode estar morto

O filho de um xeque cego que cumpre pena de prisão perpétua nos EUA por conspiração para destruir edifícios em Nova York morreu na guerra do Afeganistão, afirmou hoje um advogado no Cairo, Egito. Mohammed Abdel-Rahman, de 29 anos, morreu há cerca de duas semanas devido a ferimentos recebidos durante os bombardeios às cavernas de Tora Bora no leste do Afeganistão, disse Montasser el-Zayat, o advogado cairota. Conhecido por seus contatos com grupos de militantes, el-Zayat disse ter obtido a informação através de um ativista islâmico em Londres. A informação não pôde ser confirmada. Mohammed é filho de Omar Abdel-Rahman, de 63 anos, um clérigo muçulmano egípcio cego que cumpre a pena a que foi sentenciado em Rochester, Minnesota, por conspirar para assassinar o presidente egípcio Hosni Mubarak e explodir cinco edifícios de Nova York, entre os quais o das Nações Unidas, na década passada. Outro de seus filhos, Omar Abdel Rahman, de 28 anos, foi detido no mês passado no Afeganistão por forças anti-Taleban. O vice-presidente americano Dick Cheney disse que é provável que Ahmed seja julgado por um tribunal dos EUA. Funcionários americanos acreditam que os dois filhos de Omar pai, que estiveram no Afeganistão desde 1989, sejam altos membros da Al-Qaeda, o grupo terrorista de Osama bin Laden. Mas el-Zayat e um terceiro filho do prisioneiro, Abdullah Abdel-Rahman, negam esta versão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.