Filho do líder norte-coreano assume altos cargos no Partido Comunista

Nomeação do caçula Kim Jong-un foi vista como parte de uma transferência gradual de poder.

BBC Brasil, BBC

28 de setembro de 2010 | 19h39

Kin Jong-un teria 27 anos e foi educado na Suíça

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-il, nomeou nesta terça-feira seu filho caçula, Kim Jong-un, para dois importantes cargos no Partido Comunista, abrindo caminho para que ele assuma a liderança do país.

Segundo a imprensa estatal norte-coreana, Kim Jong-un agora é vice-presidente da Comissão Militar Central do Partido Comunista e também membro do Comitê Central do partido. Também nesta terça-feira, ele havia sido nomeado general do Exército, embora não tenha experiência militar.

As nomeações ocorreram durante a primeira convenção em 30 anos do partido.

A reunião confirmou Kim Jong-il foi como líder do país, mas acredita-se que o líder esteja em um estado de saúde precário. Ele teria sofrido um derrame dois anos atrás e realizado tratamento na China, mas os governos chinês e norte-coreano não confirmam essa informação.

Dinastia

Kim Jong-un, que é o terceiro filho do líder norte-coreano, já era cotado para assumir a liderança da dinastia, que começou com o seu avô Kim Il-sung, em 1948.

A última vez que o Partido Comunista se reuniu foi em 1980, quando o próprio Kim Jong-il foi indicado como sucessor de seu pai, Kim Il-sung, que governou a Coreia do Norte desde a sua criação, em 1948, até a morte, em 1994.

Detalhes sobre a vida do caçula são um mistério. Sabe-se apenas que ele tem cerca de 27 anos e foi educado na Suíça.

A irmã do líder, Kyong-hui, e seu marido também foram nomeados membros do comitê político. O casal é visto como defensor da ascensão de Kim Jong-un.

O processo político da Coreia do Norte é tradicionalmente comandado pelos militares por meio da Comissão de Defesa Nacional, liderada por Kim Jong-il. As Forças Armadas do país são compostas por 1,2 milhão de soldados.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.