Filho e marido de Benazir serão líderes do seu partido

Segundo analistas, pesou o fato de o filho de Benazir carregar o sobrenome Bhutto para ser escolhido

REUTERS

30 de dezembro de 2007 | 12h00

O comitê central executivo do Partido Popular do Paquistão (PPP), cuja liderança máxima era a ex-primeira-ministra paquistanesa assassinada no dia 27, Benazir Bhutto, escolheu, na manhã deste domingo, o primogênito da líder oposicionista para comandar o partido.   Segundo autoridades do partido, Bilawal, de 19 anos, foi escolhido para ser o líder do partido e seu pai e viúvo de Benazir, Asif Ali Zardari, será o co-líder. O partido também estava majoritariamente a favor de participar nas eleições gerais de 8 de janeiro, mas ainda tinha que chegar a uma decisão oficial sobre o assunto disseram os representantes do partido, que não quiseram ser identificados.   Aclamado durante o comitê, Bilawal leu o testamento político de sua mãe, em meio às lágrimas de toda direção do PPP. Segundo redes de TV paquistanesas, a reunião aconteceu na casa da família Bhutto, no povoado de Nauredo, próximo a Larkana e foi presidida por Makhdoom Amin Fahim, "número dois" do PPP.   Mais cedo, o anúncio de que seria o filho mais velho de Benazir quem leria o testamento político da ex-primeira-ministra paquistanesa fez crescer as expectativas de que ele poderia ser eleito sucessor de Benazir no comando do partido, apesar de ele ter apenas 19 anos.   Analistas consideram que o vice-presidente do PPP é uma figura de pouco brilho e que não seria bem acolhido pelos seguidores de Benazir. Se não escolhesse o filho de Bhutto, cujo sobrenome tem peso político, o partido poderia cair no abismo de não ter um candidato viável nas eleições parlamentares.   A irmã de Benazir, Sanam, foi a única filha de Zulfikar Ali Bhutto, que foi primeiro-ministro do País no período democrático paquistanês, que nunca se envolveu com a política e se nega a fazê-lo agora, mesmo sendo aclamada por alguns partidários do PPP, durante o funeral de Benazir.   A ex-premiê do país Bhutto foi morta em um ataque a bomba e a tiro quando ela deixava um comício eleitoral na cidade de Rawalpindi na quinta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOBHUTTOFILHO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.