Filhos de dona do ''Clarín'' não são da ditadura

Amostras de sangue e saliva dos filhos adotivos de Ernestina de Noble, dona do Grupo Clarín, não coincidiram com nenhuma do banco genético nacional, que guarda o DNA das famílias de vítimas da ditadura. O Grupo Clarín, desafeto da presidente Cristina Kirchner, celebrou o resultado negativo em seus jornais e emissoras de rádio e TV, dizendo que agora estava claro que Ernestina não tinha adotado bebês de presos políticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.