Filial do Estado Islâmico divulga vídeo de assassinatos no Iêmen

Filial do Estado Islâmico divulga vídeo de assassinatos no Iêmen

O vídeo, filmado à noite, mostrou um grupo de homens ajoelhados no chão, com figuras mascaradas atrás deles

O Estado de S. Paulo

30 de abril de 2015 | 16h11

SANAA - Uma nova ramificação do grupo Estado Islâmico no Iêmen divulgou nesta quinta-feira, 30, um vídeo mostrando o que afirma ser a decapitação de 4 soldados iemenitas e disparos em outras 10 pessoas, segundo o grupo de inteligência SITE.

O Estado Islâmico no Iêmen já assumiu a responsabilidade por ataques e divulgou um filme on-line mostrando a realização de treinamento, mas o vídeo desta quinta-feira, atribuído à filial do grupo na província de Shabwa, é o primeiro a mostrar assassinatos.

O vídeo não informa quando ocorreram os assassinatos, mas antes da execução os homens falaram para a câmera que eram da Segunda Brigada Mountaineer do Exército do Iêmen. A mídia local disse que 14 soldados daquela unidade foram massacrados em meados de abril, afirmou o serviço de monitoramento SITE, com sede nos Estados Unidos.

O vídeo, filmado à noite, mostrou um grupo de homens ajoelhados no chão, com figuras mascaradas atrás deles. Em seguida, aparecem quatro corpos com a cabeça decepada no peito de cada um, antes de mostrar os outros homens sendo atingidos por tiros na cabeça com um rifle quando eles se ajoelharam.

Em declaração separada numa conta jihadista no Twitter, outro grupo do Estado Islâmico na região de Hadramawt, no Iêmen, disse que havia invadido um posto de controle do Exército na cidade de Tarim, fazendo com que os soldados fugissem.

A Al-Qaeda na Península Arábica (AQAP), ala iemenita da Al-Qaeda, matou centenas de pessoas em ataques em todo o país nos últimos anos e se aproveitou de combates nos últimos meses para consolidar sua influência nas regiões orientais. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.