Filipinas: Abu Sayyaf seqüestra 5 pessoas

Rebeldes do grupo extremista muçulmano Abu Sayyaf seqüestraram cinco pessoas, incluindo a filha de um prefeito, no sul das Filipinas, segundo informações divulgadas hoje por fontes oficiais do país. No ano passado, o grupo havia seqüestrado vários estrangeiros. De acordo com o governador da província de Sulu, Abdusakur Tan, os rebeldes se concentraram em uma praia na cidade de Patikul, na ilha de Jolo, a cerca de mil quilômetros ao sul de Manila, e seqüestraram duas mulheres e três homens no último domingo. Dois reféns foram identificados como Nurhana Daut, filha do prefeito da cidade de Tapul, e Murphy Daut, um segurança policial. Uma autoridade da polícia de Jolo informou que Nurhana Daut foi seqüestrada para se casar com o líder do grupo Abu Sayyaf, Mujib Susukan. Ainda não há informações sobre os motivos que levaram o grupo a seqüestrar as outras quatro pessoas. Em abril do ano passado, o grupo rebelde promoveu o seqüestro de 21 pessoas, em um balneário turístico no sul das Filipinas. Com exceção do norte-americano Jeffrey Schilling e do filipino Roland Ullah, todos os reféns foram libertados entre agosto e setembro, depois que o governo filipino decidiu pagar um resgate de cerca de US$ 17,5 milhões. Entre os seqüestrados estavam turistas alemães, franceses, finlandeses e sul-africanos. O Abu Sayyaf, que significa ?A Espada de Deus?, é um dos grupos rebeldes mais violentos das Filipinas. Eles lutam por um Estado Islâmico independente na região de Mindanao, no sul do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.