Filipinas: Aquino acompanha resposta a tufão

O presidente das Filipinas, Benigno Aquino, anunciou neste domingo que permanecerá na área devastada pelo tufão Haiyan até que seja possível perceber melhoras na resposta do governo à catástrofe.

AE, Agência Estado

17 de novembro de 2013 | 14h42

O presidente anunciou a decisão em meio às queixas generalizadas dos sobreviventes com relação à distribuição de ajuda humanitária.

A expectativa é de que Aquino fique baseado em Taclobán, capital província de Leyte, e é improvável de que ele encontra alguma espécie de conforto.

Quase todos os imóveis existentes na cidade sofreram algum tipo de dano na passagem do tufão por ali, no dia 8.

Apenas alguns bairros têm energia elétrica, e isso acontece graças a geradores a diesel. Taclobán também está sem água potável e a população depende de caminhões-pipa, que também não são capazes de atender todos os bairros.

A tempestade provocou a morte de pelo menos 3.974 pessoas, segundo números oficiais, mas cerca de 1.200 pessoas continuam desaparecidas mais de uma semana depois da tragédia. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.