Filipinas estimam custo de até US$5,8 bi para reconstrução após tufão

Número de mortos pelo ciclone que arrasou o país asiático se aproxima de 4 mil

O Estado de S. Paulo,

19 de novembro de 2013 | 09h51

MANILA - O custo da reconstrução de casas, escolas, estradas e pontes destruídas pela passagem do tufão Haiyan pelas Filipinas pode chegar a US$ 5,8 bilhões, o que deve levar o governo a buscar empréstimos junto a agências de desenvolvimento, disse uma autoridade do governo filipino nesta terça-feira, 19.

Se o governo conseguir recursos para a reconstrução após o tufão, a economia pode até crescer mais rápido, disso Arsenio Balisacan, secretário de planejamento econômico, acrescentando que os firmes fundamentos econômicos das Filipinas permaneceram intactos. "Não seria surpresa se chegasse a esse valor", disse Balisacan.

As autoridades das Filipinas aumentaram na segunda-feira para 3.976 o balanço provisório de mortos provocados pelo tufão "Haiyan" na região central do país. Em seu último relatório, o Conselho Nacional de Gestão de Redução de Risco de Desastres elevou, além disso, para 18.175 o número de feridos e para 1.598 o de desaparecidos.

O organismo governamental também informou que 10,3 milhões de pessoas foram afetadas pelo tufão, com 353.862 delas hospedadas em 1.550 centros de evacuação.

Pelo menos 288.922 casas ficaram destruídas e outras 282.884 sofreram danos em 574 municípios, assinalou o Conselho, que elevou os danos para 10,3 bilhões de pesos (US$ 236 milhões).

Dois navios militares americanos e um avião britânico com mais ajuda humanitária chegaram no domingo à área afetada, onde o governo filipino anunciou a construção de barracas para os milhares de sobreviventes cujas casas foram destruídas.

As equipes de resgate deslocadas para a região continuam encontrando corpos entre os escombros, alguns deles de pessoas que morreram recentemente, o que indica que ainda poderiam ser encontrados sobreviventes nas casas derrubadas. / REUTERS E EFE

Mais conteúdo sobre:
tufão Haiyan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.