Filipinas: governo propõe trégua aos rebeldes

A presidente das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, disse hoje que ordenará um cessar-fogo provisório das operações militares contra a Frente Moro de Libertação Islâmica (FMLI), o principal grupo rebelde muçulmano em atividade no sul do país. A medida é o primeiro passo para a retomada das negociações de paz com o grupo. Macapagal Arroyo afirmou que tem esperanças de que os rebeldes adotem uma medida recíproca. De acordo com o secretário de Defesa interino, Eduardo Ermita, o decreto de cessar fogo será cumprido nas próximas horas. ?Acredito que construir a paz é mais barato que financiar uma guerra total?, disse ela.Desde que assumiu o poder em 20 de janeiro, depois da destituição de Joseph Estrada, Glória Arroyo se concentra na retomada do diálogo com os rebeldes muçulmanos da FMLI, que lutam pela criação e um estado separatista no sul das Filipinas, e no diálogo com os rebeldes comunistas, que travam uma guerra de guerrilhas em todo o país. O secretário de Justiça, Hernando Pérez, disse ontem que Arroyo aprovou a libertação de 49 presos políticos, entre eles muçulmanos e comunistas, em sinal de paz. As negociações de paz com os rebeldes muçulmanos fracassou no ano passado, logo depois que o ex-presidente Estrada ordenou uma ofensiva militar que capturou vários rebeldes na região de Mindanao, no sul das Filipinas.

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2001 | 03h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.