Filipinas pedem que muçulmanos adiem o Hajj

Autoridades de saúde das Filipinas pediram aos muçulmanos do país para adiarem a sua peregrinação anual a Meca, na Arábia Saudita devido às preocupações sobre um vírus respiratório muitas vezes mortal.

AE, Agência Estado

03 Julho 2014 | 14h22

A Organização Mundial da Saúde registrou 824 da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers, na sigla em inglês) em 2 de julho, incluindo ao menos 286 mortes relacionadas. A incidência maior da doença é na Arábia Saudita. Acredita-se que o vírus seja transmitido pelo contato com camelos.

Até agora, Meca tem visto menos casos do que outras partes da Arábia Saudita. Mesmo assim, os governos de países muçulmanos estão preocupados com a possibilidade da infecção durante o Hajj.

"Estamos fortemente recomendando e aconselhando os nossos irmãos muçulmanos para adiar o Hajj deste ano, para quem sabe no ano que vem", disse o secretário de saúde das Filipinas, Enrique Ona.

Cerca de seis mil filipinos são esperados para participar da peregrinação de parte dos cerca de dois milhões de muçulmanos de todo o mundo.

Dimapuno Datu-Ramos, da Comissão de Muçulmanos Filipino, disse que os fiéis que insistirem ir para Meca terão de garantir um atestado médico para mostrar que eles estão aptos para a jornada. Ona disse que os profissionais de saúde irá monitorar os filipinos em cada um dos voos que seguirá para a Arábia Saudita. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
FilipinasMERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.