Amber Fouts/The New York Times
Amber Fouts/The New York Times

Fim da pobreza deteria mutilação genital feminina, diz sobrevivente

A melhor maneira de as mulheres defenderem a si mesmas e aos seus direitos é serem capazes de ganhar um pouco mais, afirma a ativista Jaha Dukureh 

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2020 | 09h00

DACAR - A mutilação genital feminina (MGF) não acabará a menos que as mulheres sejam tiradas da pobreza e os doadores parem de desperdiçar dinheiro em programas de ajuda ineficazes, disse a ativista Jaha Dukureh, uma sobrevivente nascida no Gâmbia que levou o problema para os holofotes internacionais.

Dukureh é uma sobrevivente do casamento infantil e da MGF, um ritual antigo que envolve a remoção total ou parcial da genitália externa feminina. Estima-se que 200 milhões de garotas e mulheres tenham sido submetidas à prática, que pode causar problemas de saúde graves.

A ativista de 30 anos levou sua luta para toda a África e os Estados Unidos, para onde foi enviada aos 15 anos para um casamento arranjado com um homem que não conhecia. Ela deixou o marido pouco depois e começou a fazer campanha pelos direitos das garotas.

“A melhor maneira de as mulheres defenderem a si mesmas e aos seus direitos é serem capazes de ganhar um pouco mais”, disse Dukureh, que em 2013 fundou o grupo Safe Hands for Girls, que atua em Gâmbia, em Serra Leoa e nos EUA.

Acredita-se que o ativismo de Dukureh ajudou a persuadir o presidente de Gâmbia a proibir a MGF em 2015. Três quartos das meninas do pequeno país do oeste africano são sujeitadas à prática.

Mais recentemente, ela iniciou um programa de hortas comunitárias para cerca de 600 mulheres gambianas, o que lhes permitiu ter uma pequena renda com a venda de vegetais – e a se recusarem a permitir que suas filhas sejam mutiladas.

“Sempre me lembrarei do que uma das mulheres me disse. Ela disse ‘agora tenho escolha. Sou capaz de me posicionar e dizer não a certas coisas para as quais antes não podia dizer não porque tenho dinheiro’”, contou Dukureh.

Dukereh, que também é cidadã americana, teve sucesso ao pleitear no site change.org para que o então presidente Barack Obama investigasse a prevalência da MGF nos EUA, onde meninas muitas vezes passam por “mutilações de férias” nos países de origem de seus pais.

A MGF é vista muitas vezes como uma questão religiosa, cultural ou de saúde, mas uma de suas causas centrais na verdade é a pobreza, disse ela, já que é frequente as mulheres africanas dependerem financeiramente dos homens.

“Não temos grandes salários, empregos que podem contribuir significativamente para o crescimento do nosso país”, explicou Dukureh, que a revista Time elegeu como uma das pessoas mais influentes do mundo em 2016. / REUTERS  

Tudo o que sabemos sobre:
Gâmbia [África]Circuncisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.