Finlândia ameaça deixar a zona do euro

A ministra de Finanças da Finlândia, Jutta Urpilainen, afirmou que o país pode considerar deixar a zona do euro para não ter de pagar pelas dívidas de outros membros do bloco. "A Finlândia está comprometida a continuar sendo um membro da zona do euro, e nós achamos que o euro é útil para a Finlândia. Mas não vamos nos agarrar ao euro a qualquer custo e estamos preparados para todos os cenários", comentou ela em uma entrevista para o jornal econômico Kauppalehti.

AE, Agência Estado

06 de julho de 2012 | 08h59

A ministra destacou que a Finlândia, um dos poucos países da zona do euro que ainda tem o rating máximo triplo A, não vai concordar com um modelo de integração no qual os países sejam coletivamente responsáveis pelas dívidas e riscos uns dos outros. Ela também afirmou que uma união bancária na região não vai funcionar se for baseada em compartilhamento de dívidas. "Responsabilidade coletiva pela dívida, economia e riscos de outros países; não é para isso que nós deveríamos estar preparados".

Em outra entrevista, para o jornal Helsingin Sanomat, Urpilainen reconheceu que a Finlândia "representa a linha dura" quando se trata dos resgates econômicos na zona do euro. "Nós somos construtivos e queremos resolver a crise, mas não sob quaisquer termos", comentou.

Nos últimos dias a Finlândia informou que vai começar a negociar com a Espanha para obter colaterais pela sua participação no resgate para os bancos espanhóis, que será liberado pela União Europeia. O país também se mostrou contra a proposta de usar o Mecanismo de Estabilidade Europeu (ESM, na sigla em inglês) para comprar bônus de governos problemáticos do bloco.

No ano passado, a Finlândia criou uma grande dificuldade durante as negociações para a liberação do segundo pacote de resgate para a Grécia. O país só aceitou participar do socorro internacional quando conseguiu que o governo grego lhe oferecesse garantias. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FINLÂNDIAEURO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.