Físico é detido na França por suspeita de terrorismo

A polícia da França deteve um físico nuclear francês sob suspeita de ligação com organizações terroristas na Argélia, informou hoje a Organização Europeia para Pesquisa Nuclear, conhecida como Cern. O homem é um dos mais de sete mil cientistas que trabalham na organização e foi designado para analisar projetos sob um contrato com um instituto externo, disse a entidade.

AE-AP, Agencia Estado

09 de outubro de 2009 | 14h41

O homem não teve contato com nada que pudesse ser usado pelo terrorismo, segundo a organização. O experimento LHCb, no qual ele trabalhava, é o menor de uma série de instalações ao longo do túnel circular de 27 quilômetros sob a fronteira entre a França e a Suíça. A entidade afirmou que o homem foi detido ontem na cidade francesa de Vienne, leste da França, localizada a 23 quilômetros do sul de Lyon.

O escritório da promotoria da região de Isère disse que o caso foi transferido para a seção antiterrorismo do escritório da promotoria de Paris. Muitos dos cientistas do laboratório, independentemente de serem funcionários da organização ou de outros institutos ao redor do mundo, vivem na França. Cerca de metade das operações estão em território francês.

O físico trabalhava na análise de projetos do experimento LHCb no Cern desde 2003. "Nenhuma de nossas pesquisas tem potencial para aplicação militar e todos os nossos resultados são publicados abertamente e são de domínio público", disse a organização em comunicado. O laboratório informou que está fornecendo as informações solicitadas pela polícia francesa.

Tudo o que sabemos sobre:
Françaterrorismofísico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.