Fita justifica matança de muçulmanos que apóiam "infiéis"

Uma fita supostamente gravada pelo guia espiritual de um grupo vinculado à rede terrorista Al-Qaeda justifica o assassinato de muçulmanos que protegem "infiéis". A fita de 74 minutos, transmitida numa página da internet que divulga com freqüência declarações de extremistas islâmicos, identifica seu autor como o xeque Abu Anas al-Shami, diretor espiritual do Tawhid e Jihad, o grupo liderado por Abu Musab al-Zarqawi."Se os infiéis tomam muçulmanos como protetores e os muçulmanos não os combatem, é lícito matar esses muçulmanos", diz a fita. "Se há interesse em matar um turco e se isso for necessário - porque atacar os infiéis é impossível enquanto o turco viver - então matar esse turco beneficia todos os muçulmanos e seu assassinato é permitido", exemplifica.Numerosos muçulmanos turcos, jordanianos, egípcios e de outras nacionalidades foram seqüestrados no Iraque, mas até o momento não se sabe se algum deles foi decapitado. A idéia de matar muçulmanos que colaboram com as forças da coalizão no Iraque tem sido objeto de prolongados debates nas páginas da internet dos extremistas islâmicos, mas em geral esse tipo de assassinato é considerado justificável.

Agencia Estado,

28 de julho de 2004 | 13h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.