Andrew Innerarity/Reuters
Andrew Innerarity/Reuters

Flórida deve ter candidato presidencial em 2016

Concorrentes são o senador Marco Rubio, de 41 anos, e Jeb Bush, irmão de George W. e filho de George H.

Denise Chrispim Marin, correspondente em Washington,

06 de novembro de 2012 | 08h00

WASHINGTON - A Flórida nunca teve um candidato presidencial, mas nas próximas eleições, em 2016, dificilmente o Estado ficará de fora da chapa republicana. O Estado tem dois concorrentes fortes à Casa Branca. O senador Marco Rubio, de 41 anos, pode ser o primeiro latino a governar o país. O outro é Jeb Bush, irmão de George W. e filho de George H.

Ex-governador da Flórida, Bush, de 59 anos, não concorreu nas primárias republicanas deste ano, mas é considerado um conservador moderado e um político mais qualificado do que seu irmão George.

Rubio é neto de imigrantes cubanos que chegaram aos EUA antes da Revolução de 1959, Este ano, ele foi cogitado como vice de Mitt Romney, mas o comando da campanha escolheu o deputado Paul Ryan, da direita radical republicana, identificado com questões fiscais.

Como prêmio de consolação, na convenção republicana, em agosto, Rubio fez um dos principais discursos e tornou-se o maior cabo eleitoral de Romney na Flórida. Jeb atuou de maneira mais discreta, na arrecadação de fundos de campanha. Nos últimos dias, acompanhou Romney em comícios pelo interior do Estado.

Se o Partido Republicano perder hoje na Flórida, o mais importante dos Estados-chave, parte da culpa pode cair sobre Rubio. Se os republicanos vencerem, porém, ele poderá assumir alguma função no Executivo que impulsione suas ambições políticas.

"Estou contente no Senado, onde posso tratar dos temas importantes para a Flórida e para os EUA", disse recentemente o senador, ao ser questionado sobre um cargo no governo Romney. "Espero ficar ali (no Senado) por mais alguns anos."

Segundo o historiador John Pickering, da Lynn University, nas próximas eleições, Rubio terá experiência maior no Senado do que o próprio Obama tinha quando concorreu à Casa Branca em 2008. Em 2016, terá ele sete anos de atuação como senador, se não assumir um posto no Executivo. Obama não completou quatro anos.

O nome de Rubio tem simpatia dos latinos republicanos da Flórida. No entanto, ele tem dificuldades para expandir sua base de apoio e está muito próximo do Tea Party, a facção de direita radical do partido.

Como um típico cubano-americano, Rubio defende o embargo econômico a Cuba. "O que tem de mudar no tema de Cuba é a política de Havana, não a de Washington. O povo cubano merece uma democracia verdadeira e justa", disse o senador.

Para o porto-riquenho Samuel Román, dono de uma gráfica em West Palm Beach, a candidatura de Rubio à presidência seria "sensacional". "Fiquei decepcionado com a escolha de Ryan (para vice de Romney)", afirmou. "Já tivemos Bushes demais. Como latino e republicano, quero fazer a campanha para Rubio em 2016."

 
Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.