Andrew West/The News-Press/USA TODAY NETWORK via Reuters
Andrew West/The News-Press/USA TODAY NETWORK via Reuters

Flórida facilita vacinação de turistas e pessoas sem documentos

Maiores de 16 anos podem se vacinar no Estado americano sem apresentar comprovante de residência

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2021 | 22h55

MIAMI - Maiores de 16 anos podem se vacinar na Flórida a partir desta sexta-feira, 30,  sem apresentar comprovante de residência, anunciaram autoridades de saúde, o que abre caminho para a imunização de pessoas sem documentos e facilita o "turismo da vacina" no Estado americano.

Para responder à chegada de turistas ávidos pela imunização em janeiro, quando as vacinas contra a covid-19 ainda eram escassas, a Flórida havia imposto a apresentação de comprovante de residência para liberar a aplicação do imunizante. A medida afetou as pessoas sem documentos, muitas das quais não possuem habilitação, contratos ou contas no próprio nome, o que levou legisladores e ativistas a pedirem ao governador, Ron DeSantis, que eliminasse essa barreira.

Agora que mais de 6 milhões de pessoas já se vacinaram no Estado e a demanda é menor, o Departamento de Saúde anunciou na noite de quinta-feira que reverteu sua decisão de janeiro, e que as vacinas estarão disponíveis "para todos que sejam residentes ou estejam na Flórida com o propósito de oferecer bens ou serviços em benefício dos residentes e visitantes do Estado".

As pessoas sem documentos poderão se vacinar apenas indicando verbalmente que vivem ou prestam serviço no Estado. A prefeita de Miami-Dade, Daniella Levine-Cava, democrata, comemorou hoje a mudança: "É uma vitória para todos que chamamos de lar a nossa comunidade", tuitou.

A decisão, no entanto, também facilita o chamado "turismo da vacina", que o obstáculo imposto em janeiro pretendia conter. "Os benefícios de abrir a vacinação para os sem documentos são muito maiores do que a necessidade de limitá-la para evitar os turistas", defendeu Guadalupe de la Cruz, da ONG de justiça social American Friends Service Committee, da Flórida.

A restrição anterior não impedia turistas de se vacinarem na Flórida. Desde janeiro, latino-americanos burlavam de forma criativa a necessidade do comprovante de residência, apresentando contas bancárias com endereço nos Estados Unidos ou contratos temporários de aluguel pelo site Airbnb, por exemplo, que eram posteriormente cancelados.

Há uma semana, o prefeito de North Miami Beach, Anthony DeFillipo, disse em transmissão ao vivo pelo Facebook com entrevistadores colombianos que sua cidade havia vacinado muitos turistas que apresentaram apenas o endereço do hotel ou do consulado de seu país. Seu aparente convite aos latinos para que viajassem a fim de se vacinar foi divulgado com entusiasmo pela imprensa da região, e na última segunda-feira a cidade teve que desfazer "o mal-entendido", segundo o jornal local Miami Herald. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.