Flórida registra mais 5 casos de exposição ao antraz

Cinco novos casos de pessoas expostas ao antraz foram constatados hoje na Flórida. Trata-se de funcionários da American Media Inc. que foram submetidos a exames. Os resultados revelaram que eles estiveram em contato com a bactéria, que já infectou quatro pessoas no país. Na semana passada, um editor de fotografia do tabloide The Sun, que havia inalado antraz, morreu - a primeira morte do gênero nos últimos 25 anos. The Sun e outros cinco tabloides são publicados pela American, cujo gerente, Gerald McKelvey, disse ter sido avisado dos novos casos pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças. As autoridades de Saúde aguardam os resultados de mais 35 provas de antraz de funcionários e visitantes que passaram pela empresa. Cerca de 20 carteiros que estiveram no local também são submetidos a exames. Em Nova York, o prefeito Rudolf Giuliani disse que uma das duas cartas suspeitas de contaminação enviadas à redação da rede de televisão NBC e submetidas a testes deu resultado positivo. Elas foram remetidas ao apresentador Tom Brokaw e abertas por sua assistente, Erin O´Connor, que acabou sende infectada superfialmente. Na sexta-feira, os jornalistas do New York Times tiveram de abandonar às pressas a redação do jornal depois que uma repórter abriu uma carta suspeita. A direção do jornal informou que as análises feitas não revelaram indícios da bactéria. Segundo algumas fontes do jornal, a carta teria sido redigida em português. Em Reno, Nevada, o governador Kenny Guinn confirmou que a carta recebida pela filial da Microsoft continha antraz. Em Los Angeles, um porta-voz da empresa aérea US Airwais confirmou que um dos aviões da empresa teve de fazer um pouso não programado por suspeita de contaminação por antraz. Tripulantes encontraram uma porção de pó estranho na cabine de alimentos do avião, com 60 pessoas a bordo, que dirigia-se de Charlotte (Carolina do Norte) para Denver. O comandante do avião desceu em Indianapolis. Os passageiros foram levados a seu destino por outros avião da mesma empresa. "Fizemos isso por medida de preocaução", disse o porta-voz da US Airways. Em pleno Mar Arábico, a tripulação do porta-aviões americano Enterprise recebeu advertência do comando para ser "extremamente cuidadosa" com a correspondência que chegar. O Enterprise participa do ataque aéreo ao Afeganistão.

Agencia Estado,

13 Outubro 2001 | 22h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.