FMI avalia realizar reunião do conselho às 18h de domingo

Instituição irá discutir como proceder após a prisão do diretor-gerente Dominique Strauss-Kahn sob acusação de agressão sexual em Nova York

Luciana Antonello Xavier, NOVA YORK

15 de maio de 2011 | 14h42

WASHINGTON - O Fundo Monetário Internacional (FMI) está avaliando a possibilidade de realizar uma reunião do conselho às 18h (horário de Brasília) deste domingo, 15, para discutir como proceder após a prisão do diretor-gerente Dominique Strauss-Kahn sob acusação de agressão sexual em Nova York, de acordo com autoridades próximas ao assunto.

Os funcionários e membros do conselho estão realizando conferências telefônicas e discussões informais para tentar definir quais atitudes tomar em seguida.

Um membro do conselho disse que a reunião deve ser "informativa". Além disso, como Strauss-Kahn vai alegar inocência, "não imagino uma resolução rápida", incluindo uma renúncia imediata do diretor-gerente do fundo, disse essa pessoa.

Strauss-Kahn teve um papel importante na coordenação da resposta conjunta aos resgates emergenciais de Grécia, Irlanda e agora Portugal devido a suas crises de dívida soberana. A prisão de Strauss-Kahn deve complicar essas negociações.

O diretor do FMI deveria se reunir com a chanceler alemã, Angela Merkel, no domingo e com os ministros das Finanças da zona do Euro na segunda e terça-feiras.

Além de dar os toques finais ao pacote de 78 bilhões de euros de resgate a Portugal, o principal ponto da reunião seria como resolver a crise de dívida da Grécia. Mas Merkel afirmou que a reunião foi cancelada.

Na ausência de Strauss-Kahn, o FMI nomeou John Lipsky como diretor-gerente interino. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.