FMI critica alterações no orçamento húngaro para 2013

O Fundo Monetário Internacional (FMI) mostrou neste sábado insatisfação a respeito do plano da Hungria de fazer correções no orçamento do país para 2013. O governo húngaro anunciou alterações, em uma combinação de cortes de despesas e aumento de impostos, no início deste mês para convencer as organizações internacionais de que pode manter sob controle o seu déficit orçamentário.

Agência Estado

27 de outubro de 2012 | 15h38

"Acreditamos que o foco do ajuste fiscal deveria ser atingir um equilíbrio de receitas e despesas, deixando para trás ações fiscais pontuais", disse a representante permanente do FMI em Budapeste, Iryna Ivaschenko. "Muitas das medidas anunciadas na semana passada não estão alinhadas com esses objetivos", acrescentou.

Há quase um ano a Hungria anunciou sua intenção de receber um pacote de ajuda da União Europeia e do FMI, mas disputas sobre questões legais e precondições impediram um acordo até agora. Depois de uma missão de avaliação, em julho, as organizações não informaram se as discussões continuarão ou quando isso pode acontecer. "Não há datas ainda para a missão de negociação voltar a Budapeste", disse Ivaschenko.

Enquanto isso, o primeiro-ministro, Viktor Orban, informou neste sábado que o governo federal vai assumir dívidas de municípios húngaros da ordem de 612 bilhões de forints (US$ 2,8 bilhões). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
HungriaorçamentoFMIcríticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.