FMI e Banco Mundial emprestam ao Iraque

O FMI aprovou um empréstimo de US$ 436,3 milhões ao Iraque para reconstruir a administração pública e iniciar as reformas econômicas. Também o Banco Mundial (Bird) deverá aprovar um crédito de US$ 5 bilhões para desembolso em cinco anos, disse hoje o presidente da instituição, James Wolfensohn. Mas o Bird não mandará seu pessoal de volta ao Iraque enquanto não houver segurança. "Somos um alvo", disse.A ajuda do FMI será condicionada aos termos de um acordo que fixa várias metas para o governo iraquiano. "Vamos monitorar o uso dos recursos como fazemos com qualquer país membro", disse o diretor-gerente do Fundo, Rodrigo de Rato. Segundo o vice-diretor gerente Takahoshi Kato, alguns países poderão perdoar parte da "insustentável dívida externa" iraquiana, se as autoridades do país continuarem cooperando com o Fundo. Para possibilitar o novo empréstimo, o governo iraquiano pagou à instituição no dia 22 uma dívida em atraso no valor de US$ 81 milhões. Além disso, concordou em pagar parte no aumento de cotas da instituição, de US$ 740 milhões para US$ 1,75 bilhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.