FMI e Ucrânia fecham acordo de até US$ 18 bi em ajuda financeira

Parlamento da Ucrânia ainda deve ratificar plano de reformas econômicas proposto pelo fundo

O Estado de S. Paulo,

27 de março de 2014 | 11h46

KIEV - O Fundo Monetário Internacional (FMI) concordou nesta quinta-feira, 27, em emprestar entre US$ 14 bilhões e US$ 18 bilhões ao longo de dois anos para a Ucrânia. O acordo, necessário para recuperar a combalida economia do país, prevê também a liberação de outros créditos, num valor total de US$ 27 bilhões.  No front político, a ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko anunciou que disputará a presidência do país em maio.

Veja também:

linkCronologia: os protestos na Ucrânia

linkGaleria de fotos: crise na Ucrânia

linkGaleria de fotos: crise na Ucrânia

O acordo deve ajudar estabilizar a economia do país após os três meses de protestos de rua que levaram à queda do presidente Viktor Yanukovich e à secessão da Península da Crimeia, que se uniu à Rússia. O dinheiro servirá para quitar dívidas do governo de Kiev.

Em troca, o país terá de fazer uma série de reformas econômicas impopulares que, segundo o FMI, são necessárias para evitar um calote. O Parlamento ucraniano deve aprovar o pacote ainda hoje. 

"O FMI chegou a um acordo prévio com as autoridades sobre o programa de reformas econômicas", disse o fundo por meio de nota. "O apoio financeiro mais amplo da comunidade internacional desbloqueará até US$27 bilhões para a Ucrânia. Dessa verba, entre US$ 14 bilhões e US$ 18 bilhões serão do FMI."

O primeiro-ministro interino Arseni Yatseniuk, que diz que seu próprio governo é "suicida", em razão das medidas impopulares que terá de tomar, pediu a aprovação do pacote. "A Ucrânia está à beira da bancarrota", disse. / REUTERS

Interseção: Mudança na política energética pode tornar UE mais independente da Rússia

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.