FMI vê risco de bolha no mercado imobiliário de Dubai

Dubai precisa introduzir novas medidas para proteger o mercado imobiliário contra um aumento na demanda especulativa, que poderia afetar as perspectivas para a economia local. A conclusão consta em um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), após uma visita aos Emirados Árabes Unidos.

AE, Agência Estado

06 de julho de 2014 | 09h29

"O fortalecimento no ciclo do mercado imobiliário, especialmente na área residencial de Dubai, pode atrair uma maior demanda especulativa, criando o risco de dinâmicas de preços insustentáveis e uma eventual correção potencialmente disruptiva", diz o FMI.

Dubai já adotou medidas para esfriar o mercado imobiliário, que foi o que mais cresceu no mundo no ano passado. As autoridades impuseram restrições sobre hipotecas e dobraram as taxas cobradas nas transações. Mesmo assim, o FMI diz que será preciso fazer mais se os preços continuarem a subir. "Nós sugerimos novas taxas na revenda de propriedades dentro de um período de tempo relativamente curto, para desencorajar a demanda especulativa".

Segundo o FMI, o rápido crescimento no setor imobiliário e a dependência das receitas relacionadas ao setor de petróleo são os maiores riscos para os Emirados Árabes, que mesmo assim devem crescer 4,8% este ano e 4,5% em 2015, impulsionados pelo turismo e novos megaprojetos de infraestrutura. Ainda assim, o Fundo diz que o país possui "colchões consideráveis" para absorver possíveis choques econômicos.

O FMI também afirma que Dubai fez "progressos significativos" no pagamento das dívidas relacionadas com a crise financeira global de 2009. Mesmo assim, os mercados provavelmente continuarão acompanhando de perto entidades como a Dubai World, que esteve no centro de um dos maiores calotes da história do Oriente Médio. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIEmirados Árabesrisco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.