Fogo amigo americano mata britânicos no Afeganistão

Após pedido de ajuda de soldados do Reino Unido, caça dos EUA lança bomba e três militares morrem

Associated Press, Agência Estado e Efe,

24 de agosto de 2007 | 08h56

Uma bomba despejada por um caça de combate dos Estados Unidos provocou a morte de três soldados britânicos no sul do Afeganistão, informou nesta sexta-feira, 24, o Ministério da Defesa do Reino Unido.  Outros dois soldados ficaram gravemente feridos no aparente incidente de "fogo amigo" ocorrido na noite de quinta-feira. No jargão militar, o "fogo amigo" ocorre quando um exército ataca por engano uma força aliada. De acordo com um comunicado divulgado pela pasta, os soldados britânicos protagonizavam uma patrulha a noroeste de Kajaki, na província de Helmand quando foram atacados por rebeldes supostamente vinculados à milícia fundamentalista islâmica Taleban. Durante o confronto, os soldados requisitaram apoio aéreo e dois caças americanos foram enviados. "Uma bomba foi despejada e acredita-se que a explosão tenha provocado a morte de três soldados", prosseguia a nota. Ainda segundo o Ministério da Defesa, o incidente está sendo investigado. Esses são os primeiros soldados britânicos vítimas de fogo amigo no Afeganistão desde a invasão americana, em 2001, embora operações conjuntas entre forças dos Estados Unidos e Reino Unido no Iraque já tenham resultado em baixas causadas por esse tipo de incidente.  O Reino Unido não identificou os soldados Soldados britânicos estão engajados há meses em choques com forças rebeldes em Kajaki, onde a barragem de uma hidrelétrica capaz de atender a 2 milhões de afegãos está sendo reformada."Há um punhado de razões diferentes para explicar esse incidente, e no momento não estamos na posição exata, e imagino que não estaremos tão brevemente, para dizer o que aconteceu", disse o porta-voz britânico tenente-coronel Charlie Mayo. Desculpas americanas O Exército americano ainda não se pronunciou sobre o caso, mas a Embaixada dos Estados Unidos em Londres divulgou nota lamentando o incidente. "Os Estados Unidos manifestam seus mais profundos sentimentos aos familiares e amigos dos soldados mortos, assim como desejam a rápida recuperação dos feridos", diz o breve comunicado. Após uma investigação sobre a morte do soldado inglês Matty Hull, de 25 anos, vítima de fogo amigo americano no Iraque em 2003, parlamentares da oposição britânica vêm pressionando para que haja melhorias nos sistemas de identificação utilizados pelas forças aliadas. Em 2006, o Reino Unido ameaçou deixar um programa de cooperação aérea com os Estados Unidos que já dura dez anos caso o Pentágono não apresentasse uma solução para a preocupação britânica de que os americanos não estavam fornecendo informações suficientes acerca dos softwares utilizados nas aeronaves.No início do ano, o secretário de Defesa da Grã-Bretanha, Des Browne, chegou a comentar que, desde 1990, 12 soldados britânicos haviam morrido em incidentes de "fogo amigo" protagonizados por forças americanas no Iraque, mas que o mesmo nunca havia acontecido antes no Afeganistão. Outras vítimas Apesar de esta ter sido a primeira vez em que soldados britânicos foram vítimas de "fogo amigo" no Afeganistão, o Exército americano já matou outros aliados em circunstâncias similares no país asiático. Em 2002, quatro soldados canadenses morreram quando um piloto americano aparentemente os confundiu com rebeldes nas proximidades de Kandahar. Em agosto do ano passado, um bombardeio americano provocou a morte de dez policiais afegãos no sudeste do país. O motivo do ataque é desconhecido até hoje. Nos Estados Unidos, tornou-se notório o caso do ex-jogador de futebol americano Pat Tillman, morto por seus companheiros em um incidente ocorrido perto da fronteira com o Paquistão em abril de 2004. Forças britânicas O Reino Unido mantém atualmente cerca de 7.000 soldados no Afeganistão, a maioria deles baseada nas província de Helmand e em seus arredores. No entanto, esse contingente aumentará para 7.700 efetivos durante este ano, segundo o Ministério da Defesa. As mortes da noite de ontem elevam a 73 o número de militares britânicos mortos no Afeganistão desde o fim de 2001, quando o país asiático foi invadido por forças estrangeiras em resposta aos ataques de 11 de setembro daquele ano contra os Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUAReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.