Fogo na Austrália faz 3 mil pessoas deixarem casas

Cerca de 3.000 pessoas tiveram de abandonar suas casas hoje enquanto os incêndios florestais se expandiam pelo maior estado da Austrália, e aschamas rodeavam Sydney, a capital estadual, ameaçando a periferia da maior cidade do país. Ventos de 60 quilômetros por hora avivaram as chamas, que destruíram casas, isolaram povoados, obstruíram rodovias e ferrovias em todo o estado de Nova Gales do Sul. Os governos dos estados vizinhos se ofereceram para enviar esquadrões contra incêndios, enquanto centenas de bombeiros do vizinho estado de Victoria se uniam aos cerca de 5.000 funcionários dos serviços de emergência de Nova Gales do Sul. Centenas deles vêm trabalhando ininterruptamente nosúltimos cinco dias para debelar os incêndios. As autoridades destacaram 46 aeronaves para aspersão de água e observação dos locais mais atingidos. O primeiro-ministro John Howard prometeu recursos do Exército após vistoriar as cinco áreas mais afetadas pelos incêndios nos arredores de Sydney. O chefe dos bombeiros de Nova Gales do Sul, PhilKoperberg, disse que seus homens salvaram centenas de propriedades ameaçadas, e lembrou que até agora 140 delas foram destruídas. Membros das equipes de ambulâncias disseram já ter atendido a centenas de bombeiros e residentes por inalação de fumaça e dificuldades respiratórias. O clima seco, as rajadas de ventos de até 90 km por hora e as temperaturas acima de 35 graus centígrados dificultam o combate ao fogo, que se espalha em velocidades sem precedentes. As equipes já não tentavam conter o fogo, apenas se concentrando em salvar vidas e propriedades. Os incêndios ameaçam subúrbios situados a apenas 20 km de Sydney. O ministro estadual de Serviços de Emergência, Bob Debus, advertiu que algumas dessas zonas poderiam incendiar-se a qualquer momento. Na tarde (hora local) desta quarta-feira, o vento levou o fogo, através do rio Nepean, a ameaçar áreas densamente povoadas em Baulkham Hills, a noroeste de Sydney.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.