SAEED KHAN / AFP
SAEED KHAN / AFP

Fogos de artifício e ruas vazias marcam ano novo na Austrália

Diante da pandemia do novo coronavírus, países do mundo inteiro adotam restrições para evitar tumulto durante celebrações

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2020 | 11h53

SYDNEY - Os fogos de artifício da casa de Ópera de Sydney, na Austrália, subiram para o céu, mas o porto abaixo estava vazio como uma cidade fantasma, uma despedida apropriadamente assustadora por um ano que não vai fazer falta. 

Na Austrália, onde os fogos de artifício são televisionados para todo o mundo como a primeira grande exibição visual do ano novo, o movimento foi restringido, as reuniões proibidas e as fronteiras internas fechadas. 

A maioria das pessoas foi impedida de ir ao centro de Sydney na noite de quinta-feira, 31. Fogos de artifício no céu e ruas vazias marcaram o ano novo na Austrália.

"Que ano terrível tem sido", disse Gladys Berejiklian, premiê do Estado de Nova Gales do Sul, que inclui Sydney. 

Moradores foram orientados a ficar em casa e assistir os fogos de artifício pela televisão, por causa da covid-19.

Restrições adotadas por outros países para o ano novo

Em Roma, na Itália, as multidões não se reunirão na Praça de São Pedro, o Papa não conduzirá missas e os foliões não farão seu mergulho anual no Tibre. 

Na Grã-Bretanha, onde uma variante altamente contagiosa do vírus está se espalhando e a maioria das pessoas está sob estritas restrições, as autoridades fizeram uma campanha de mensagens públicas em outdoors e na mídia pedindo às pessoas que "vejam no ano novo com toda a segurança em casa". Os leões da Trafalgar Square de Londres serão barrados. 

A Alemanha proibiu a venda de fogos de artifício para desencorajar as multidões. As autoridades em Berlim disseram que a polícia iria "punir os violadores de forma consistente". 

Em Wuhan, na China, onde a pandemia se originou há um ano, esperava-se que milhares de pessoas se reunissem em pontos de referência populares no centro da cidade para a contagem regressiva até 2021. Alguns disseram que estavam sendo cautelosos, mas não estavam particularmente preocupados. "Segurança é a prioridade", disse Wang Xuemei, de 23 anos, residente de Wuhan, professor. Nenhum show de luzes iluminará Pequim do alto da torre de TV. 

Nos Estados Unidos, os nova-iorquinos se amontoarão ombro a ombro na Times Square, o público será um pequeno grupo pré-selecionado de enfermeiras, médicos e outros trabalhadores importantes, suas famílias mantidas a dois metros de distância em canetas socialmente distantes.

Na França, onde o toque de recolher noturno também estará em vigor, não mais do que seis adultos poderão se reunir ao redor da mesa, mas haverá celebrações - pequenas, talvez, mas com estilo.

Com mais de 1,7 milhão de mortos e 82 milhões de infectados em todo o mundo desde o último ano ano, a esperança é que as vacinas contra a covid-19 possam ajudar a domar a pandemia. /Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.