Foguete artesanal mata dois beduínos em Israel

Dois pastores beduínos, pai e filho, morreram hoje após a explosão de um foguete artesanal Qassam no deserto do Neguev, afirmaram autoridades israelenses. A organização palestina Jihad Islâmica, que assumiu a responsabilidade pelo ataque, disse a jornalistas na vizinha Faixa de Gaza que lançou o foguete com o objetivo de "interromper as eleições" realizadas hoje em Israel. No entanto, as fontes militares israelenses acreditam que o foguete de fabricação caseira que explodiu não tenha sido disparado nesta terça-feira. A explosão ocorreu de manhã entre a passagem fronteiriça de Karni, vital para a economia palestina na Faixa de Gaza, e o kibutz (fazenda coletiva) Nachal Oz. Outros dois beduínos, entre eles uma filha e irmã das vítimas, tiveram que ser hospitalizados para receber atendimento psicológico no centro médico Soroka, na cidade de Be´er Sheva. A Jihad Islâmica disparou hoje três foguetes Qassam contra o território israelense, mas não deixou feridos nem prejuízo material. A artilharia israelense respondeu com disparos contra uma área desabitada do norte da Faixa de Gaza, de onde o grupo radical palestino costuma lançar os foguetes. Eleições Na última eleição, a violência palestina foi um dos fatores que influenciou os eleitores na escolha por partidos linha-dura. O ataque desta terça-feira também pode afetar os resultados do pleito atual. Os partidos da direita vêm criticando o plano de retirada unilateral da Cisjordânia defendido pelo primeiro-ministro interino de Israel, Ehud Olmert, por considerar que ele seria um convite para que os palestinos continuem realizando ataques. Os oponentes de Olmert usam como argumento o crescimento no número de ataques com foguetes lançados de Gaza desde a retirada israelense da região no ano passado. D

Agencia Estado,

28 Março 2006 | 13h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.