Yair Sagi / Reuters
Yair Sagi / Reuters

Foguete lançado de Gaza atinge casa em Tel-Aviv e deixa 7 feridos; Netanyahu encurta ida aos EUA

Forças Armadas israelenses acusam o Hamas pela ação, mas o grupo nega autoria da ação e diz não ter interesse em confronto

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2019 | 05h41
Atualizado 25 de março de 2019 | 10h24

JERUSALÉM - Um foguete lançado a partir de Gaza atingiu uma casa na região central de Israel nesta segunda-feira, 25, e provocou um incêndio que feriu ao menos sete pessoas, incluindo duas crianças, segundo a polícia local e fontes médicas. A ação disparou sirenes de ataque aéreo no país. O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, anunciou que encurtará sua visita aos Estados Unidos e prometeu responder com força.

A casa, que foi atingida às 5h20 (0h20 em Brasília), está localizada em Mishmeret, norte de Tel-Aviv. O disparo do foguete ocorre menos de duas semanas depois que as Forças Armadas de Israel lançaram ataques contra posições na Faixa de Gaza horas após dois foguetes serem disparados do território palestino contra Tel-Aviv.

As Forças Armadas israelenses acusaram o movimento islamista Hamas pelo lançamento do foguete desta segunda-feira e anunciaram o envio de reforços à região. "Após uma avaliação da situação sob a liderança do comandante do Estado-Maior, enviamos duas brigadas de reforço à zona do comando sul", afirmou o Exército no Twitter, que também anunciou a mobilização de um determinado número de reservistas.

"Podemos confirmar que o Hamas é responsável pelo disparo de um foguete de fabricação local", completa a nota. As Forças Armadas indicaram que o foguete foi lançado a partir do sul do território palestino e percorreu quase 120 km.

O Hamas, no entanto, negou nesta segunda ter disparado o foguete e disse que o movimento islâmico palestino não tem interesse em um confronto com o Estado judeu. 

"Ninguém dentro dos movimentos de resistência, incluindo o Hamas, está interessado em disparar foguetes de Gaza contra o inimigo", disse um alto funcionário do movimento que controla a Faixa de Gaza, e que pediu anonimato. 

Essa mesma mensagem foi transmitida ao Egito, que atua como mediador entre Israel e o Hamas, segundo a fonte.

Mishmeret, cidade localizada a mais de 80 km da Faixa de Gaza, não é um alvo comum de foguetes lançados a partir do território palestino.

Premiê israelense

O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, anunciou que reduzirá o tempo de visita aos EUA e prometeu responder com força à ação.

"Decidi, levando em consideração os acontecimentos de segurança, reduzir minha visita aos EUA. Em algumas horas me reunirei com o presidente Trump e logo depois retornarei a Israel para dirigir de perto nossas operações", afirmou o premiê. "Um ataque criminoso foi cometido contra o Estado de Israel e vamos responder com força", completou. / AFP, NYT e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.