Foguetes da Síria atingem reduto do Hezbollah no Líbano

Vários foguetes e morteiros disparados da Síria atingiram o leste do Líbano neste sábado, segundo autoridades de segurança do país. As tensões aumentam entre os dois países fronteiriços à medida que os militantes do Hezbollah começam a ter um papel importante na guerra civil síria.

AE, Agência Estado

01 Junho 2013 | 19h37

Autoridades libanesas, que falaram sob condição de anonimato, informaram que a região de Baalbek foi atingida 18 vezes, provocando incêndio na região, mas sem causar vítimas.

Os rebeldes sírios dispararam dezenas de foguetes na região de Hermel, nordeste do Líbano, nas últimas semanas, mas o ataque de sábado foi o primeiro em Baalbek, um reduto do Hezbollah. As autoridades disseram que as aldeias de Yanta, Brital e Saraeen estavam entre as regiões atingidas.

O grupo libanês está lutando ao lado das forças do presidente sírio, Bashar Assad, contra os rebeldes que pretendem derrubá-lo. O envolvimento do Hezbollah na guerra da Síria aumentou acentuadamente em abril, quando os combatentes do grupo e as forças do governo sírio deram início a uma grande ofensiva para recapturar Qusair, que havia sido tomada por rebeldes pouco depois da revolta contra Assad, que começou em março de 2011.

A guerra civil da Síria está cada vez mais se espalhando para o vizinho Líbano, onde confrontos entre as forças que se opõem a Assad deixaram dezenas de mortos e feridos nos últimos meses.

O Líbano e a Síria compartilham uma complexa rede de laços e rivalidades políticas e sectárias que são facilmente inflamadas. A população do Líbano está profundamente dividida sobre o conflito, que começou com protestos pacíficos, mas depois degenerou em uma guerra civil.

Alguns sunitas libaneses apoiam os rebeldes sírios, que também são na sua maioria sunitas, enquanto alguns xiitas apoiam o regime de Assad, dominado por sua seita alauíta, uma ramificação do islamismo xiita. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
violênciafoguetesSíriaLíbano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.