Fome pode matar 120 mil crianças afegãs, alerta a ONU

Cerca de 120.000 crianças afegãs correm o risco de morrer de fome, frio e enfermidades - fato que levou as Nações Unidas a advertirem que levar ajuda até elas é "uma corrida contra o tempo". Há cerca de 2 milhões de pessoas em condições precárias em torno da cidade afegã de Mazar-i-Sharif, afirmou o representante da Unicef (a agência da ONU para a infância), Philippe Heffink, durante uma entrevista em Termez, Usbequistão, na fronteira com o Afeganistão. "Sem nossa assistência, 120.000 crianças morrerão", disse. DesnutridosSegundo funcionários do Programa Mundial de Alimentos (PAM) da ONU, há ao menos 3 milhões de pessoas desnutridas no norte do Afeganistão, que devem receber ajuda através de países da ex-União Soviética. O Turcomenistão já recebeu sete aviões carregados de ajuda da Unicef, o Usbequistão recebeu cinco e o Tajiquistão, três. Por outro lado, após uma interrupção de seis dias por problemas de segurança, um comboio de 48 caminhões do PAM com 1.300 toneladas de grãos partiu hoje de Peshawar, no Paquistão, em direção a Cabul. O anúncio foi feito em Genebra, Suíça, por Christiane Berthiaume, funcionária do PAM. Sem segurançaBerthiaume disse aos repórteres que os motoristas a serviço da ONU no Paquistão concordaram em reiniciar o transporte dos grãos em direção a Cabul e Jalalabad, ambas no leste do Afeganistão. Mas ela acrescentou que não haverá comboios em direção ao sul do território afegão porque ali "as condições de segurança são desfavoráveis". Problemas de segurança também estão tornando difícil a distribuição da ajuda, a partir das cidades afegãs, para milhões de afegãos carentes no interior do país antes da chegada do rigoroso inverno, disse Berthiaume.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.