Reuters
Reuters

Fonte que revelou espionagem dos EUA foi para o Equador, diz WikiLeaks

Edward Snowden viaja por meio de uma rota segura que inclui a Rússia e outros países

O Estado de S. Paulo,

24 de junho de 2013 | 11h46

O fundador do Wikileaks, Julian Assange, disse nesta segunda-feira, 24, que Edward Snowden, ex-técnico da CIA que vazou um programa de monitoramento de telefonemas e redes sociais do governo americano, está são e salvo e a caminho do Equador por meio de uma rota "segura" que inclui a Rússia e "outros países".

Assange, que há um ano está refugiado na Embaixada do Equador em Londres, não revelou onde Snowden se encontra no momento. A última informação que se sabe sobre o ex-técnico da CIA é que ele chegou no domingo à noite em Moscou vindo de Hong Kong. Segundo o fundador do WikiLeaks, o governo equatoriano concedeu a Snowden um salvo-conduto, documento que o permite viajar mesmo sem seu passaporte americano.

O WikiLeaks não participou diretamente dos vazamentos de Snowden - feitos diretamente ao jornal The Guardian -, mas ofereceu assistência para retirá-lo de Hong Kong. A ideia inicial do ex-técnico da CIA era refugiar-se na Islândia.

Mais cedo, um avião russo decolou de Moscou para Havana sem sinais de que Snowden estivesse a bordo. Um comissário disse que Snowden não estava no avião e o assento marcado para ele tinha sido ocupado por outro passageiro. Uma fonte da companhia aérea russa Aeroflot, que opera o voo, confirmou sua ausência.

Snowden fugiu domingo de Hong Kong para a capital russa e pediu asilo ao Equador. O ministro de Relações Exteriores equatoriano, Ricardo Patiño, disse nesta segunda-feira que o país está "analisando" o pedido de asilo de Edward Snowden. "Nós tomaremos uma decisão... Estamos analisando."

No final da manhã, o presidente do Equador, Rafael Correa, disse por meio da sua conta no Twitter que o país está analisando o pedido de asilo e tomará a decisão com soberania. "Analisaremos o caso com responsabilidade", afirmou.

O Kremlin não tem conhecimento de qualquer contato entre Snowden e as autoridades russas, disse nesta segunda-feira o porta-voz do presidente da Rússia, Vladimir Putin. O porta-voz Dmitry Peskov recusou-se a comentar os pedidos do governo dos EUA à Rússia para extraditar Snowden.

Em viagem à Índia, o secretário de Estado americano, John Kerry, disse nesta segunda-feira que ficaria "muito decepcionado" se Hong Kong ou a Rússia tivessem informações prévias sobre os planos de Edward Snowden e permitissem que ele embarcasse num avião.

"Haverá, sem qualquer duvida, algum efeito e impacto no relacionamento" com os Estados Unidos se isso acontecer, disse Kerry, falando em Nova Délhi, onde está para uma visita de três dias. / REUTERS e EFE

Veja vídeo da CNN com declarações de Assange:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.