Chelsea Manning / CC BY-SA / Reuters
Chelsea Manning / CC BY-SA / Reuters

Fonte que vazou documentos para WikiLeaks é presa por negar-se a depor

Chelsea Manning continuará presa até reconsiderar sua posição ou até o fim de grande júri, segundo seus advogados

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de março de 2019 | 16h36

WASHINGTON - A ex-analista de inteligencia do Exército americano Chelsea Manning, que vazou para o WikiLeaks milhares de documentos secretos do governo, foi presa nesta sexta-feira, 8, por negar-se a testemunhar em um grande júri em um Tribunal da Virgínia. 

Segundo seus advogados, ela continuará presa até reconsiderar sua posição ou até o fim do julgamento. A Justiça de Alexandria, perto de Washington, não confirmou que o WikiLeaks e Julian Assange são os alvos desta investigação. 

Mais cedo, Manning confirmou que a investigação é sobre a publicação de mais de 700 mil documentos ligados às guerras do Iraque e do Afeganistão que entregou em 2010 ao WikiLeaks. 

Manning é uma mulher trans que era analista de Inteligência do Exército dos Estados Unidos quando teve acesso aos documentos. Ela foi presa e condenada a 35 anos de prisão pelo vazamento. 

As ações da ex-analista ajudaram a tornar o WikiLeaks um movimento global contra segredos de governos. /AFP

Tudo o que sabemos sobre:
WikiLeaksJulian Assange

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.